• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

“Eu pedi calma e ele começou a xingar muito”, diz testemunha

Amiga de Anuxa relata que Pablo Henrique apresentava um comportamento bastante agressivo antes de atropelar as vítimas.

22/11/2019 10:57h - Atualizado em 22/11/2019 11:31h

Uma amiga de Anuxa, que teve seu nome preservado por questões de segurança, que presenciou o crime e todas as discussões entre o casal durante a festa, foi a segunda a prestar depoimento, na condição de testemunha de acusação. Em sua fala, a jovem destacou o estado alterado e agressivo de Pablo Henrique e como tentou evitar que a amiga saísse com ele da festa, temendo pela integridade dela.


Leia também:

Anucha Alencar entra para depor de muletas e com ajuda de servidores do TJ 

Homem atropela namorada e mata amiga após discussão na zona Leste 

Após atropelar namorada, agressor fica calado em depoimento 

Juiz mantém prisão de homem que atropelou namorada e matou amiga 

Familiares e amigos homenageiam Vanessa Carvalho em missa 

"Ele acabou com a vida da nossa família", diz prima de Vanessa 

"Não foi um atropelamento qualquer. Ele premeditou", diz pai de Vanessa 

Familiares e amigos de Vanessa Carvalho pedem justiça em ato 


Segundo a testemunha, Pablo havia ingerido muita bebida alcoólica durante o casamento já vinha demonstrando sinais de descontrole com Anuxa e com outros convidados. “Ele estava dando vexame e a Anuxa pediu pra ele beber mais devagar. Ele deu em cima de uma moça na pista de dança, ela se chateou, eles começaram a discutir e ele alterou a voz. Quando ele veio na nossa direção, pegou nela e falou ‘isso não vai ficar assim’”, relatou.

Ela conta que na saída festa, Anuxa iria embora com ela, mas que desistiu quando foi pegar a chave de casa no veículo de Pablo, mesmo sob os protestos da amiga. “Eu pedi pra ela não ir e disse que levaria ela para casa. Foi o momento que ele apareceu na porta do buffet e ela saiu com o carro dele. Ele ainda correu atrás”. A jovem acrescenta que Anuxa deu a volta no quarteirão, mas se arrependeu e retornou para a festa.


Foto: Nathalia Amaral/O Dia

“Ela me deu a chave e disse que ia comigo. Meu esposo abriu nosso carro para ela e eu voltei para entregar a chave pro Pablo. Fiquei na esquina esperando ele. Ele estava muito transtornado, dá um desespero até de lembrar. O olhar dele era outro, o tom de voz. Eu pedi calma e ele começou a xingar muito. Nisso eu tentei convencer ele várias vezes, ele levou duas quedas, coloquei ele de pé, ele pedia muito a chave do carro”, falou.

No momento do atropelamento, a testemunha conta que havia apenas um rapaz trocando o pneu de um carro e só deu tempo subir na calçada. “Quando ouvi o carro acelerando e comecei a gritar, elas [Vanessa e Anuxa] estavam entre a rua e a calçada. Ele ia reto e puxou o carro para a direita e já foi quando elas voaram umas duas ou três vezes”.

O marido da jovem, que também prestou depoimento como testemunha de acusação, acrescentou que viu Pablo virando o volante do carro para atingir Anuxa. “"Ele estava sozinho no carro, o carro dele não tem fumê, então eu vi que ele virou o volante na hora pra atingir as meninas. Quando vi elas caindo, eu corri pra elas e tentei ajudar" disse. Ainda segundo ele, o réu em momento algum tentou parar o veículo para ajudar.

A defesa questionou o depoimento da testemunha, perguntando a ela se a bebida não teria alterado o comportamento de Pablo Henrique. A fala do advogado foi rebatida pelo juiz Reis Nolleto, que afirmou que ninguém seria capaz de responder isso, nem a testemunha.

Por: Maria Clara Estrêla, com informações de Nathalia Amaral

Deixe seu comentário