• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Após liberação da Pedra do Sal, praias estão próprias para banho

A praia da Pedra do Sal era a última considerada imprópria após ser atingida por manchas de óleo no último final de semana.

21/11/2019 11:20h

A Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí (Semar), órgão responsável pela balneabilidade das praias do Piauí, comunicou, nesta quinta-feira (21), que, considerando os resultados adquiridos no monitoramento realizado nesta manhã naPraia da Pedra do Sal, localizada no município de Parnaíba, a área foi liberada para banhoDessa forma, todas as praias do litoral piauiense permanecem próprias para banho

Praia da Pedra do Sal está liberada para banho. (Foto: Arquivo O Dia)

No vídeo abaixo, o gerente de Fiscalização da Semar, Renato Nogueira, fala sobre a liberação:



Leia mais:

Autoridades estimam que uma tonelada de óleo já atingiu o Delta do Parnaíba 

Praia de Atalaia é interditada após retorno de manchas de óleo 

Praia de Atalaia continua imprópria para banho, alerta SEMAR 

Em 48 horas, três praias são consideradas impróprias no Piauí 

Manchas de óleo atingem praias da Pedra do Sal, Pontal e Peito de Moça 

Sobe para sete o número de áreas do Delta afetadas pelo óleo 

Por risco de contaminação, marisqueiros perdem contrato com comprador 


A praia era última considerada imprópria após ser atingida por manchas de óleo no último final de semana. Na tarde de ontem (20), a Semar já havia liberado as praias de Atalaia e Peito de Moça, ambas também atingidas por resíduos, no município de Luís Correia, litoral do Piauí. 

Praia da Pedra do Sal está liberada para banho. (Foto: Arquivo O Dia)

"Considerando a diminuição significativa da coleta de resíduos desde o dia 16 de novembro, quando houve o comunicado de balneabilidade imprópria, a Semar classifica a praia como própria para banho, mas deixa o alerta de que essa situação não é permanente, as manchas podem retornar e a gente pede então que a população, ao registrar novos toques de mancha, avisem os órgãos ambientais envolvidos no monitoramento e na coleta, para que um novo comunicado possa ser emitido", destaca a coordenadora do Escritório Regional da Semar em Parnaíba, Waneska Vasconcelos.

O monitoramento foi feito nesta manhã numa faixa de 10 km de areia, por meio de incursão de veículo pela praia, além do monitoramento em alto mar a bordo do Navio Patrulha Guanabara. Durante a inspeção não foram visualizados manchas ou fragmentos de óleo na área citada. 

Segundo a Semar, nos dias 18 e 19 de novembro, foram percorridos aproximadamente 130 km em alto mar em forma de zigue-zague, partindo do entreposto pesqueiro Anchieta Pescados, seguindo até a praia de Maramar, com o objetivo de interceptar manchas de óleo na corrente marítima que pudessem ser depositadas nas praias entre Peito de Moça e o Delta do Parnaíba.

Mergulhadores de combate da Marinha ajudam no monitoramento. (Foto: Divulgação/Marinha do Brasil)

De acordo com a Capitania dos Portos, mergulhadores de combate integrantes da Tropa de Elite da Marinha do Brasil, contando com o apoio do Corpo de Bombeiros Militar, representantes do ICMBIO e Polícia Federal, se deslocaram também na manhã de hoje para ações de monitoramento no Delta do Parnaíba. O objetivo da ação é monitorar e realizar uma busca e avaliação de danos por óleo em pontos focais do Delta. Uma aeronave da Marinha também está auxiliando nas ações.

Aeronave da Marinha também está auxiliando nas ações. (Foto: Divulgação/Marinha do Brasil)


Por: Nathalia Amaral

Deixe seu comentário