• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Bebê venezuelano morre de pneumonia após 10 dias em Teresina

A criança deu entrada no Hospital do Buenos Aires, na zona Norte, no sábado (2) com sintomas de pneumonia.

05/11/2019 09:03h - Atualizado em 05/11/2019 09:30h

Uma criança venezuelana de apenas um ano e um mês veio a óbito no último domingo (03) após dar entrada no Hospital do Buenos Aires em Teresina. O bebê faz parte de um grupo de refugiados abrigado em Teresina e havia chegado à Capital há 10 dias. 


Leia também:

Teresina já abriga quase 100 venezuelanos refugiados 

Prefeitura faz ação para inibir mendicância de venezuelanos 

Transferência de venezuelanos gera conflito entre tribos rivais 

Órgãos discutem regras para abrigos de venezuelanos em Teresina 

Segundo a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) a criança deu entrada na unidade hospitalar no sábado (2) com sintomas de pneumonia. O órgão alega que a equipe médica realizou todos os procedimentos possíveis, mas infelizmente não teve como reverter a situação.

Secretário municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Samuel Silveira. (Foto: Assis Fernandes/O Dia)

Uma equipe do Serviço Especializado em Abordagem de Rua (SEAS) foi acionada e providenciou junto ao plantão municipal da urna funerária os procedimentos para o sepultamento. A criança foi velada no domingo e enterrada nesta segunda-feira (4) no cemitério da Santa Maria da Codipi. 

De acordo com o secretário da Semcaspi, Samuel Silveira, o órgão está fazendo o acompanhamento do CSU do Buenos Aires, onde a criança estava abrigada, e encaminhou materiais de limpeza e alimentos para os refugiados. Segundo ele, a principal dificuldade no local é de relacionamento.

"Há uma dificuldade de relacionamento, até mesmo entre os venezuelanos e nossas equipes técnicas, um coordenador chegou a pedir demissão por sofrer ameaças dos venezuelanos. Ainda há um comportamento não condizente com o abrigamento como consumo de álcool que momentaneamente cessou, e esperamos que permaneça assim, e há a questão da mendicância, que é também fiscalizada e acompanhada pela assistência", destaca. 

Cerca de 100 venezuelanos refugiados recebem amparo do poder público em Teresina. O grupo está sendo abrigado em dois espaços na Capital e recebe acompanhamento de órgãos municipais e entidades sociais.


Por: Nathalia Amaral e Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário