• assinatura jornal

Notícias Picos

10 de janeiro de 2018

Órgãos estudam instalação de centro de pesquisa em Picos

Representantes da Fapepi e Sedet estiveram reunidos com o presidente da Emgerpi, Ricardo Pontes

O diretor-presidente da Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), Ricardo Pontes, recebeu a visita do presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi), Francisco Guedes, e de representes da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (Sedet), na manhã desta terça-feira (9). O objetivo do encontro foi pedir ajuda da Emgerpi para regularizar um contrato de sessão do Centro de Tecnologia Apícola do Piauí (Centapi), cuja cessão deverá ser repassada para a Sedet.

Ao final da reunião, Pontes afirmou que dará todo o suporte necessário para a Sedet e Fapepi, no que se refere a regularizar o contrato de sessão solicitado. Francisco Guedes falou que o objetivo da Fapepi, ao apoiar a instalação desse novo centro de pesquisa, é colocar para funcionar um equipamento público, que é o Centro Tecnológico de Apicultura de Picos, que será instalo em um prédio belíssimo com salas de aula, laboratórios, salas de incubação. "Esse trabalho será fundamental para alavancar as cadeias de produtivas da cidade de Picos”, reiterou.

“Estamos hoje pedindo apoio do presidente da Emgerpi, Ricardo Pontes, que, juntamente com a equipe da Sedet, nos ajudará a criar um contrato de gestão com uma OS da Tecnologia da Informação e comunicação daquela setorial, tudo isso para que possamos dar apoio às cadeiras produtivas da região, especialmente nos setores de apicultura, cajucultura  e energias renováveis”, acrescentou Guedes.

O presidente da Fapepi destacou, ainda, que, através desta ação, o governo estará evitando que os produtores dessas regiões deixem de fazer análises de materiais fora do Estado do Piauí. "Uma vez criado esse contrato de gestão, a Fapepi pretende lançar três editais voltados pesquisadores ligados as cadeias produtivas: apicultura, cajucultura e energias renováveis. Para isso, também faremos pesquisas juntos aos empresários da região sobre quais as demandas que eles precisam em relação a profissionais da pesquisa”, pontou.

O superintendente de Ciência e Tecnologia da Sedet, Thiago Carvalho, também falou sobre as boas perspectivas para o trabalho entre os três órgãos. “A nossa visita, hoje, na Emgerpi, teve como finalidade pedir ajuda para regularizar um contrato de sessão do Centapi, cuja sessão deverá ser repassada para a Sedet. Queremos cancelar o contrato, que está vigente com a federação apícola, e fazer outro com a Sedet”, disse. Ele explica que o prédio onde funcionará o novo centro tecnológico terá função importante. “A Sedet quer criar um pólo de tecnologia na cidade de Picos e, com isso, aliar empresas para dar apoio à produção de mel”, disse o superintendente que, na ocasião, representou o secretário da Sedet, José Icemar Lavôr Néri (Nerinho).

29 de dezembro de 2017

14 de setembro de 2017

Empreendedores de Picos têm acesso a microcrédito

A meta é ampliar a operação para atender 20 municípios da macrorregião do município

Instalada há uma semana no Espaço da Cidadania em Picos, a Movera - empresa que atua no mercado de micro finanças que faz parte do conglomerado do Banco do Brasil - já liberou créditos para 100 empreendedores, entre os quais, feirantes e cabeleireiros. O crédito gira em torno de R$ 600 a R$ 5.000 para que os interessados ampliem os negócios conforme a necessidade do investimento, verificada antes pelos agentes da Movera. A meta é ampliar a operação para atender 20 municípios da macrorregião de Picos.

Para ajudar os pequenos empreendedores piauienses a driblar a crise pela qual passa o país, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Administração e Previdência (Seadprev), firmou parceria com o Banco do Brasil e a empresa Movera, em 2016. O serviço começou a funcionar no Espaço da Cidadania de Teresina, sendo expandido para cinco municípios próximos: Altos, José de Freitas, Demerval Lobão, União e Campo Maior.

Segundo o superintendente comercial da Movera, Gilson Belém, até agora foram beneficiados mais de cinco mil empreendedores, principalmente açougueiros e vendedores ambulantes.

"O empreendedor ou futuro empreendedor busca informações no Espaço da Cidadania e depois o processo é todo feito na casa dele. O agente faz a entrevista com o cliente, identifica a real necessidade de crédito que precisa, formaliza a parceria por meio de assinatura do empreendedor e já fica estabelecido o valor do pagamento das prestações do crédito concedido pela Movera", explica Gilson Belém, ao acrescentar que o carnê com boletos é enviado para a residência dos clientes que escolhem o local de pagamento, como casas lotéricas, por exemplo.

Já para sacar o dinheiro disponibilizado pela Movera, o empreendedor recebe um SMS pelo celular e, em seguida, se encaminha ao terminal do Banco do Brasil para realizar a transação financeira.

"Todas as pessoas que recorrerem a esse tipo de empréstimo vão receber o assessoramento necessário para que o pequeno negócio prospere”, destacou o secretário Franzé Silva, entusiasta e um dos idealizadores da parceria com a Movera. Segundo ele, a operação de microcrédito, considerado importante instrumento de inclusão financeira pelo Banco Central (BC), continuará sendo ampliada no Piauí.

Movera

A Movera é uma empresa inovadora na oferta de Microcrédito Produtivo Orientado. O objetivo é ouvir o desejo do cliente, entender o negócio, seu potencial de crescimento, oferecer o microcrédito e a orientação financeira. É destinado a empreendedores informais, microempreendedores individuais e pequenas empresas. Açougueiros, salões de beleza, costureiras, borracheiros, padarias, ambulantes e sacoleiras são algumas das atividades que podem ser beneficiadas com a Movera.

A empresa pode ser usada também por servidores públicos estaduais que estão querendo virar empreendedores ou quem já está na atividade há mais de seis meses. Com o Microcrédito Produtivo Orientado, os beneficiários podem comprar mercadorias ou matérias-primas, investir em equipamentos ou fazer melhorias nas instalações.

29 de agosto de 2017

Picos ganhará unidade do Tribunal de Contas do Estado

Picos ganhará unidade do Tribunal de Contas do Estado

Com o objetivo de ter uma fiscalização mais efetiva em todo o estado, o Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) irá descentralizar suas atividades através da instalação de três regionais no estado.

De acordo com o conselheiro-substituto, Delano Câmara, as unidades regionais serão instaladas em Parnaíba, Picos e Bom Jesus.

 “O Tribunal de Contas quer ficar mais próximo da sociedade e da gestão e com isso possibilitar a verificação em tempo real dos fatos acontecidos. Quando acontece uma falha qualquer, ou quando a sociedade denunciar, o tribunal chegará de forma mais presente e mais ativa”, disse Delano.

Na manhã da última sexta-feira, 25, o TCE realizou o I Treinamento do Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM) em Picos. Na ocasião o conselheiro afirmou que iria verificar um local para a instalação da regional no município, que atenderá a toda a macrorregião.

“Em Picos a ideia é locar ou ter um comodato de um prédio e nós termos aqui um ponto de fiscalização mais pronto e mais imediato dos fatos ocorridos nos municípios da região. As atividades em Parnaíba deverão ser iniciadas em outubro, aqui a instalação deverá ser realizada no começo do ano que vem”, afirmou o conselheiro.

Servidores do Tribunal de Contas que são de Picos ou que queiram vir a cidade serão transferidos para a futura regional. O mesmo acontecerá nas outras regionais, uma vez que a ideia do TCE é que o servidor more na cidade dando efetividade maior a ação de fiscalização.

01 de agosto de 2017

Trump obrigou filho a omitir motivo de reunião com advogada, diz jornal

Encontro com Natalia Veselnitskaia, em junho de 2016, foi revelado em 7 de julho pelo "The New York Times". O jornal disse que a reunião ocorreu para discutir informações sobre Hillary Clinton, rival de Trump na eleição.

O presidente dos EUA, Donald Trump, foi o responsável direto pela primeira estratégia de defesa de seu filho mais velho, Donald Jr., para explicar o encontro com uma advogada russa, diz o jornal "The Washington Post".

Donald Trump continua tendo que explicar graves denúncias contra ele e pessoas próximas (Foto: Divulgação)

O encontro com Natalia Veselnitskaia, em junho de 2016, foi revelado em 7 de julho pelo "The New York Times". O jornal disse que a reunião ocorreu para discutir informações sobre Hillary Clinton, rival de Trump na eleição.

Diante da informação, os assessores de Trump, que voltava da cúpula do G20, queriam que fosse distribuída uma nota com os detalhes verdadeiros do encontro, mas, afirma o "WP", o presidente mudou a estratégia.

Membros do governo disseram à publicação que o líder pessoalmente passou o comunicado em que o filho admite o encontro, mas com a versão de que era para discutir sobre a adoção de crianças russas por americanos.

O programa foi suspenso em 2014, logo após as sanções dos EUA a empresas de aliados de Vladimir Putin devido ao conflito na Ucrânia. Veselnitskaia era defensora do veto e cliente de alguns dos empresários afetados.

A nota foi desmentida pela imprensa nos dias seguintes, levando Donald Jr. a revelar detalhes do encontro e admitir que teria procurado a advogada para obter informações que colocassem Hillary em descrédito.

O novo caso aumenta a suspeita de que Trump age por conta própria para tentar impedir as investigações sobre o suposto conluio entre sua equipe eleitoral e integrantes do governo do presidente Vladimir Putin.

O movimento preocupa os assessores, que temem prejuízos à defesa do republicano e afirmam que ele se expõe de forma desnecessária. O principal medo é que ele fique marcado por tentar evitar a revelação da verdade.

Trump é questionado por tomar medidas que podem ter prejudicado a investigação. Dentre elas, demitir James Comey, então chefe do FBI, a quem teria pedido para interromper a investigação de um de seus aliados.

Ele também tem criticado o secretário de Justiça, Jeff Sessions, por ter deixado a investigação sobre a interferência russa após ser revelado que o ex-senador teria se reunido com o embaixador russo nos EUA, Serguei Kislyak.