• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Presidente da APCZ confirma realização da 69ª Expoapi em Teresina

O evento será realizado realizado entre os dias 30 de novembro a 08 de dezembro no Parque de Exposições Dirceu Arcoverde, na BR-343, em Teresina.

19/09/2019 15:21h - Atualizado em 19/09/2019 18:47h

O presidente da Associação Piauiense de Criadores de Zebu (APCZ), André Nogueira, confirmou em entrevista à FM O Dia na tarde desta quinta-feira (19), que 69º edição da Exposição Agropecuária do Piauí (Expoapi) será realizada entre os dias 30 de novembro a 08 de dezembro no Parque de Exposições Dirceu Arcoverde, na BR-343, em Teresina.



LEIA TAMBÉM: Cavalo é diagnosticado com Mormo e Hospital Veterinário é interditado 


André explicou ainda sobre a interdição temporária do Parque de Exposições determinada pela Agência de Defesa Agropecuária do Piauí (Adapi) após a confirmação da morte de um cavalo vítima de “mormo” (doença zoonose altamente infecciosa), que teria dito contato com outros animais do local na semana passada. 

Presidente da APCZ, André Nogueira. Foto: Elias Fontelene

“A verdade é que no Parque de Exposições em Teresina nunca houve um caso de mormo. Todos os animais estão regularizados por estarem com seus exames negativos em relação a doença. A única coisa que aconteceu foi que esse cavalo passou pela ExpoTeresina e dois meses depois fez o teste que deu positivo. Então até o momento só existe uma probabilidade de se fazer uma investigação para confirmar que o parque não tenha foco de mormo”, disse.

O presidente ressaltou o trabalho desenvolvido pela Agência de Defesa Agropecuária do Piauí (Adapi). “Nós criadores sabemos da importância da Adapi, principalmente na proteção dos nossos animais. Se eu sou um criador de animais com um preço valorizado, necessito de uma instituição pública que garanta que uma exposição ou vaquejada não tenha animais contaminados. Portanto, nós acreditamos que a Adapi é importantíssima nesse trabalho".

O parque foi fechado na última quinta-feira (11)  e todos os animais que tiveram contato com o cavalo infectado estão passando pelos testes. Eles só poderão ser liberados somente depois que os resultados dos exames sejam divulgados.

“Os criadores têm a convicção que os resultados dos animais serão negativos, assim como nós também, mas nós precisamos passar por esse protocolo. A partir de agora iremos tratar o caso como uma fiscalização, esses animais serão colocados em um ressinto reduzido e o restante do parque será desinsetizado e liberado para usarmos da melhor forma possível”, afirmou André Nogueira.

André Nogueira evidencia que não há caso comprovado de mormo em humanos. Foto: Elias Fontenele 

Ao final da entrevista, o presidente evidenciou que ainda não há humanos infectados pela doença de “mormo” no Brasil. “Nestes 500 anos de descobrimento do Brasil, nós não tivemos um caso comprovado de mormo em humanos. Então não precisa ter esse alvoroço. Estamos trabalhando para que a gente possa tratar essas doenças nos animais, mas em humanos, felizmente nunca tivemos” concluiu.


LEIA MAIS: Fazendas suspeitas de ser foco de "mormo" são desinterditadas 



Até o momento, quatro animais já foram sacrificados após serem diagnosticados com a doença no Piauí. A Agência de defesa Agropecuária do Piauí) desinterditou 4 fazendas rurais que estavam sob suspeitas de apresentar focos da doença.

O que é o mormo?

O mormo é uma doença infectocontagiosa, que atinge equinos e pode ser transmitida para humanos. Em animais, os sintomas da zoonose são: febre, fraqueza, corrimento viscoso nas narinas e a presença de nódulos subcutâneos, nas mucosas nasais, nos pulmões e gânglios linfáticos. O contágio acontece através do contato com o material infectante, como pus, secreção nasal, urina e fezes.

Edição: Adriana Magalhães
Por: Jorge Machado

Deixe seu comentário