Falta cloroquina em drogarias de Teresina após repercussão de tratamento

Só é possível encontrar o fármaco em farmácias de manipulação e, em algumas delas, com restrição na quantidade de comprimidos por pessoa

14/05/2020 17:52h - Atualizado em 14/05/2020 21:55h

Compartilhar no

A repercussão do tratamento de pacientes da Covid-19 em Floriano, no Sul do Piauí, levou uma corrida dos teresinenses às farmácias em buscas da hidroxicloroquina. O medicamento não é mais encontrado nas redes de drogarias que atuam na capital. Só é possível encontrar o fármaco em farmácias de manipulação e, em algumas delas, com restrição na quantidade de comprimidos por pessoa.


Leia também

Piauí: Após pressão do Ministério Público, uso da cloroquina será avaliado 

“A gente veio ver o milagre da cloroquina”, diz Damares em Floriano 

Damares se reúne com o prefeito de Floriano para discutir uso da cloroquina 

Covid-19: Damares Alves chega a Floriano para conhecer novo tratamento

COVID-19: Tratamento utilizado em Floriano evita internações em UTI 


O Portal O Dia tentou comprar o medicamento. Numa rede de drogarias, a hidroxicloroquina foi reposta nas prateleiras na última quarta-feira (13), contudo, antes do encerramento do expediente já estava novamente em falta. Em outra drogaria pesquisada, há semanas que o medicamento acabou, enquanto as demais não recebem o fármaco desde o início da pandemia, quando surgiram as primeiras especulações sobre os efeitos da cloroquina na cura da Covid-19. A hidroxicloroquina ficou restrita às farmácias de manipulação. Numa rede pesquisada, o medicamento é vendido com restrição de 15 comprimidos por pessoa.

A alta da comercialização da hidroxicloroquina é percebida no estado desde o início do ano . Pesquisa encomendada pelo Conselho Regional de Farmácia (CRF) do Piauí revelou que a venda do medicamento entre janeiro e março deste ano cresceu 81% em comparação com o mesmo período do ano passado. O aumento ficou acima da média nacional, que foi 67,93%, de acordo com o levantamento.

(Foto: Ilustrativa)

Desde o início da semana, após a divulgação que tratamento com uso da substância zerou o número de pessoas infectadas pela doença que precisaram da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional Tibério Nunes, em Floriano, a procura voltou à tona.

O crescimento nas vendas da cloroquina levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mudar as regras para a comercialização do fármaco. ‘Antes era exigida somente a receita médica comum sem retenção e agora passou a ser exigida a Receita de Controle Especial em duas vias, passando a ser obrigatória a retenção na farmácia ou drogaria da 1ª via da receita’. Segundo a Anvisa, a medida foi tomada para evitar que os estoques das farmácias acabassem.

Os cuidados

O Conselho Regional de Farmácia alerta para o uso o medicamento sem orientação médica. “A hidroxicloroquina pode causar problemas na visão, convulsões, insônia, diarreias, vômitos, alergias graves, arritmias (coração batendo com ritmo anormal) e até parada cardíaca. O uso de hidroxicloroquina ou cloroquina em pacientes internados com teste positivo para o novo coronavírus ainda não tem evidências representativas”, disse em nota.

Sobre a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da Covi-19, o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos do (CMPP) da Universidade Federal do Piauí (UFPI) emitiu nota afirmando que “até o presente momento não avaliamos qualquer protocolo de pesquisa envolvendo o tratamento medicamentoso para pacientes com Covid-19”. 

Compartilhar no
Por: Otávio Neto

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário