Deputado Hélio Isaías nega rompimento com o governador Wellington Dias

Em uma possível retaliação Wellington exonerou a diretora administrativa e financeira da Secretaria dos Transportes, Aurisonia Rodrigues

15/09/2021 12:15h

Compartilhar no

O deputado estadual Hélio Isaías (Progressistas) negou houve um rompimento político com o governador Wellington Dias. De um partido da oposição, o parlamentar declarou o voto em Zé Santana (MDB) na eleição para conselheiro do Tribunal de Contas , fato que teria desagradado o governador que apoia nos bastidores a candidata Flora Izabel (PT). Em uma possível retaliação Wellington exonerou a diretora administrativa e financeira da Secretaria dos Transportes, Aurisonia Rodrigues, braço direito de Hélio Isaías no órgão. O ato foi visto por membros da base governista como um rompimento, já que tanto o deputado, quanto o seu grupo político poderiam apoiar Ciro Nogueira na disputa estadual.

Hélio Isaías tratou de contemporizar o mal-estar criado dentro da base governista  e lembrou a aliança de vida e política com o governador, desde 2002 o parlamentar sempre apoiou Wellington em todas a suas candidaturas.

"Não rompi com ninguém, apenas pedi ao governador para me licenciar da secretaria do transporte e retornar a assembleia para votar na eleição do Tribunal de Contas. Isso eu fiz e comuniquei três vezes a ele sobre esse assunto. Também vi na imprensa que o governador não nomeou um sucessor meu, no meu ofício eu pedi para sair, não deixei nenhuma indicação que fosse nomeado um sucessor. Acho que ele agiu correto, repito, permaneço sendo seu amigo, sempre estive ao seu lado desde 2002 marchando com ele, da minha parte não há nenhuma mágoa", revelou o deputado.


Leia mais:
Governador reúne deputados individualmente após dissidência de Hélio Isaías 
De volta à Assembleia, Hélio Isaías declara apoio a Zé Santana na eleição do TCE 
Eleição do TCE: Líder do governo nega interferência de Wellington e admite articulação 

O parlamentar revelou também que a ação tomada contra ele poderia ser uma espécie de recado para “pressionar outros membros da base aliada.

"Precisa passar um pouco essa tensão do Tribunal de Contas, amanhã a gente vai ter uma decisão. Me licenciar para votar em um amigo, se o Santana não fosse candidato não teria voltado para a Assembleia. O que eu tenho de certo é o mandato de deputado estadual, ele vai até fevereiro de 2022, não tratei com o governador sobre o rompimento político, espero que eu não tenha sido usado para pressionar ninguém”, concluiu o político.  

FOTO: Tarcio Cruz/ODIA

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário