Trio preso fazendo arrastão teria envolvimento no assalto a esposa de coronel

Eles foram presos na noite da última segunda (15) no bairro Ininga fazendo assalto dentro de uma residência. PM negociou rendição.

16/04/2019 07:44h - Atualizado em 16/04/2019 08:04h

Compartilhar no

Os três homens armados que foram presos na madrugada da última segunda-feira (15) enquanto mantinham pessoas reféns dentro de uma residência no bairro Ininga, zona Leste de Teresina, teriam sido os mesmos que realizaram o assalto à esposa do coronel Paulo de Tarso, a senhora Maria do Socorro, no final de fevereiro. Na ocasião, um dos suspeitos disparou a arma e o tiro atingiu a mulher do oficial da PM no rosto. Neste último arrastão, a Polícia Militar foi acionada e teve que negociar a rendição dos criminosos. 

A informação foi repassada pelo delegado Ademar Canabrava, titular do 12º Distrito Policial de Teresina. Segundo ele, os suspeitos foram reconhecidos pela senhora Maria do Socorro. Eles foram identificados como sendo Carlos Henrique Rodrigues Barros, Ítalo Daniel de Carvalho Araújo e Sérgio de Castro Araújo Júnior.

“Nós já vínhamos investigando e já tínhamos a certeza de serem esses os elementos que haviam praticado esse crime contra a esposa do coronel Paulo de Tarso. Foram os vizinhos que chamaram a polícia. Eles perceberam que algo estava errado na casa ao lado e graças a Deus a PM chegou a tempo de impedir que eles machucassem alguém e concluíssem o roubo. Os três foram presos em flagrante, mas além da autuação, nós já vamos representar hoje pela prisão preventiva deles”, explicou o delegado Canabrava.


Delegado Ademar Canabrava - Foto: Arquivo O Dia

Vale lembrar que no dia 28 de fevereiro, a Polícia Militar já havia prendido mais três pessoas suspeitas de envolvimento no assalto à esposa do coronel Paulo de Tarso.

Polícia faz alerta

A Polícia Civil, por meio do 12º DP, vem investigando uma quadrilha especializada em fazer arrastões dentro de residências na zona Leste de Teresina. A área é a mais visada por estes grupos criminosos porque, segundo o delegado Canabrava, é considerada a região nobre da cidade, onde moram as pessoas de maior poder aquisitivo.

“Eles têm redes em todos os bairros de Teresina, mas praticam boa parte dos crimes naquela área onde o poder de ganho em um assalto muitas vezes é maior. Sem contar que aquela região da Universidade Federal é bastante visada porque têm muitos terrenos baldios na vizinhança das casas”, explica.

O delegado pede que as pessoas que moram nessa região tomem bastante cuidado e fiquem alerta para movimentos atípicos em suas ruas – de gente e de veículos – especialmente entre as 19h e uma hora da madrugada, horário que é considerado como o período em que essas quadrilhas costumam agir.

Compartilhar no
Por: Maria Clara Estrêla

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário