Violência psicológica contra mulher passa a ser crime no Brasil

A deputada federal Margarete Coelho (PP), uma das autoras do projeto, comemorou a aprovação e publicou em sua redes social a notícia.

29/07/2021 10:19h - Atualizado em 29/07/2021 11:07h

Compartilhar no

Foi sancionado, nesta quarta-feira (28), o projeto de lei que tipifica o crime de violência psicológica contra a mulher. O texto foi aprovado no Congresso e passa a ser incluído no Código Penal. A deputada federal Margarete Coelho (PP), uma das autoras do projeto, comemorou a aprovação e publicou em sua redes social a notícia.

O projeto é de autoria das deputadas federal Margarete Coelho (PP-PI), Soraya Santos (PL-RJ), Carla Dickson (Pros-RN) e Greyce Elias (Avante-MG) (Foto: Reprodução/redes sociais)


A lei destaca crime de violência psicológica como:

"Causar dano emocional à mulher que a prejudique e perturbe seu pleno desenvolvimento ou que vise a degradar ou a controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, chantagem, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que cause prejuízo à sua saúde psicológica e autodeterminação".

A punição ao agressor para o crime será de reclusão de seis meses a dois anos e multa, se a conduta não constituir crime mais grave. O projeto foi aprovado pela Câmara em junho deste ano e pelo Senado em julho , criando o Programa do X Vermelho, que possibilita à mulher denunciar se está sendo vítima de violência e pedir ajuda em órgãos públicos e entidades privadas. 


Leia também:


Em 2021, mais de mil mulheres vítimas de violência já buscaram atendimento especializado 
Violência contra Mulher: Piauí registra aumento do número de medidas protetivas 
Estupro de vulnerável cresce 13% no Piauí, aponta Anuário de Segurança 


O texto assegura ainda, em lei, a campanha "Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica", lançada no ano passado pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Caso a mulher se dirija até uma repartição pública ou entidade privada e apresente um “x” escrito na palma da mão, preferencialmente em vermelho, os funcionários deverão adotar procedimentos, segundo treinamento, para encaminhar a vítima ao atendimento especializado da localidade. Para isso, campanhas deverão ser realizadas para divulgar a ação.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário