Vacina contra covid: Dr. Pessoa quer incluir crianças e jornalistas em grupo prioritário

Segundo o prefeito, a decisão por incluir jornalistas no grupo prioritário se dá pelas mortes registradas entre profissionais da imprensa nos últimos dias no Piauí.

05/04/2021 09:42h - Atualizado em 05/04/2021 10:38h

Compartilhar no

Na manhã desta segunda-feira (05), o prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, divulgou assinar um novo decreto para incluir professores, estudantes e jornalistas no calendário prioritário de vacinação contra a covid-19. Segundo o prefeito, a decisão por incluir jornalistas no grupo prioritário se dá pelas mortes registradas entre profissionais da imprensa nos últimos dias no Piauí. Somente neste domingo (05), dois radialistas vieram a óbito devido a complicações da doença. 


Leia também: Lei do auxílio financeiro a bares e restaurantes do Piauí é sancionada



Foto: Arquivo O Dia

O primeiro deles, Denilson Freitas, era jornalista na cidade de Parnaíba e tinha 37 anos. O profissional estava internado no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde. Já a segunda morte foi a do radialista Chico Silva, de 71 anos, que estava internado na UPA do bairro Renascença e faleceu após apresentar piora no seu quadro de saúde. 

Para o Dr. Pessoa, por estarem em campo em busca de informações para a sociedade, os profissionais da imprensa acaba por estarem mais suscetíveis a serem contaminados pelo novo coronavírus. No entanto, de acordo com o prefeito, a imunização só será garantida aos profissionais que não trabalharem apenas dentro das redações. 

"Não é querendo colocar como protegidos, mas também é um direito porque os jornalistas estão em todos os lugares buscando fatos para a sociedade e para o povo tomar conhecimento dos fatos", afirma.

Sobre a vacinação dos estudantes, Dr. Pessoa destaca que a proposta é de que todos os alunos de Teresina sejam vacinados por ordem decrescente de idade. 

Vale lembrar que, até o momento, apenas as vacinas Pfizer/BioNTech e Coronavac anunciaram serem seguras para indivíduos abaixo dos 18 anos. No caso da Pfizer, a vacina possui eficácia de 100% entre adolescentes com idades de 12 a 15 anos e possui resultados satisfatórios na faixa etária de 16 a 25 anos. No entanto, os testes do imunizante em crianças abaixo dos 11 anos não foi concluído.

Já o laboratório chinês Sinovac, responsável pela produção da vacina Coronavac em parceria com o Instituto Butantan, informou que a a vacina possui eficácia na faixa etária de 3 a 17 anos. Contudo, os dados ainda não foram publicados oficialmente.

Até o momento, as demais vacinas, que incluem a Moderna, Janssen, Oxford/Astrazeneca e Cansino, ainda estão na fase de testes para averiguar a segurança e a resposta imune em crianças e adolescentes.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário