Primeira chuva de julho supera volume previsto para todo o mês em Teresina

O acumulado foi de 20 mm, o que superou a média prevista para todo o mês de julho, que era de 10 mm

02/07/2021 13:17h

Compartilhar no

Depois dos teresinenses serem agraciados com lindos pôr do sol nesses últimos dias, dessa vez, quem marcou presença foi a chuva, que caiu na madrugada de quinta (01) para sexta-feira (02) e foi registrada em todas as regiões de Teresina. O acumulado foi de 20 mm, o que superou a média prevista para todo o mês de julho. A região Sudeste registrou o maior volume, 19 mm, seguido da zona Sul (14,8 mm), zona Norte (13,8 mm) e zona Norte (13 mm).

“Agora, tem um diferencial: a chuva que caiu no dia 1º de julho em Teresina e em muitas cidades no Norte do Estado, já superou a média prevista. Na média, tivemos entre 15 a 20 mm de precipitação sobre Teresina, volume que supera a média prevista para o mês de julho, que é 10 mm. Os principais modelos de previsão do Inmet e do Cptec já apontavam a entrada de umidade sobre a capital e a faixa Norte, com previsão de um ou dois dias de precipitação entre fraca e moderada”, explica o climatologista Werton Costa.

O especialista pontua que essa chuva acontece devido ao período de transição para o período seco. Entretanto, apesar de sempre muito bem-vindo, não é um fato inusitado. Historicamente, nas chamadas médias climatológicas, há sempre um quantitativo de chuva, mesmo nos meses mais secos.

Essa chuva foi provocada por uma situação muito especial: a existência da entrada de ar polar sobre o Sul da Bahia, que é um ar mais frio, porém, mais úmido, e a existência de um Oceano Atlântico bastante quente.

(Foto: Jailson Soares/ODIA)

“Essa combinação resulta em condensação, ou formação de nuvens de temporal. Há uma ligeira possibilidade deste fenômeno continuar nas próximas 24 horas, porém, com menor intensidade. As temperaturas mais baixas registradas em Teresina durante o período da precipitação foram resultantes, basicamente, da condição de nebulosidade. Havia muitas nuvens no final da tarde cobrindo a cidade, com muitas chuvas caindo em municípios vizinhos, sobretudo em Campo Maior, Altos, Alto Longá e José de Freitas, e isso naturalmente ajudou a atenuar a condição térmica produzindo uma brisa agradabilíssima”, comenta Werton Costa.

Essa condição de aumento da nebulosidade no entorno da capital é resultante do movimento lento mais vigoroso dessas massas de ar. Geralmente no período seco, observa-se uma baixa umidade relativa do ar e pouca cobertura de nuvens. No caso em que há uma maior concentração de nuvens, é um bom indicativo de transporte de umidade. 

Alerta laranja 

O Inmet emitiu na manhã desta sexta-feira (02) um alerta laranja inédito para a onda de frio que atinge o Sul da Bahia, a faixa do médio São Francisco e o sertão baiano.

“Essa onda de frio é caracterizada como inédita porque estamos falando de uma área que é tradicionalmente quente. Embora relativamente distante do Piauí, essa área de alerta materializa a atuação de uma frente fria muito intensa, que pode repercutir indiretamente sobre os municípios limites com a Bahia, que são os municípios sertanejos do Piauí”, explica Werton Costa.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário