Mudança no Plano Diretor trará prejuízo a Teresina, alerta CAU/PI

A nova alteração permite o recuou em todos os lados do terreno e causa problemas com segurança dos prédios

16/09/2021 18:25h

Compartilhar no

Uma alteração no Plano Diretor de Teresina pode trazer inúmeros prejuízos para as edificações da Capital, alerta o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí (CAU/PI). A medida proposta pelo prefeito Dr. Pessoa (MDB) e sancionada pela Câmara de Vereadores recebeu crítica por falta de diálogo com as entidades envolvidas e ausência de justificativa técnica.


Leia tambémFlora Izabel é eleita em primeiro turno para o TCE 


Em entrevista ao programa O Dia News, da O Dia Tv nesta quinta-feira (16), o arquiteto urbanista e conselheiro do CAU/PI, Anderson Mourão, pontuou que o Plano Diretor é o planejamento máximo da cidade e qualquer alteração necessita passar pelos ritos do Estatuto das Cidades e com da participação popular.

Anderson Mourão explicou que a alteração do Plano Diretor de 2019 já previa o aumento da taxa de ocupação, o que permitiu um edifício a ocupar mais espaço do lote. A taxa que era 60% passou a 80% do lote. A área restante seria utilizada para permeabilidade do solo.

Foto: Jailson Soares / O Dia

“A alteração anterior já se permitia zerar o recuo, encostar no muro, uma edificação de até 13 metros de altura. Você podia zerar o recuou de um lado e do outro dar o recuo que a legislação exige”, disse. Contudo, a nova alteração permite o recuou em todos os lados do terreno. 

“Com essa alteração, a prefeitura coloca para a cidade inteira que pode colar os dois lados. Com isso, imagine a configuração de uma quadra que todo mundo que vai construir decide colar os dois lados. Você não terá acesso ao fundo do lote, não terá ventilação favorável e em uma cidade quente como a nossa, se reduzimos a impermeabilidade no solo, se reduz a umidade, está piorando o clima”, afirmou. Anderson analisa ainda que a medida cria problemas na segurança e na manutenção dos prédios. 

O CAU/PI afirma que não foi consultado e recebeu com surpresa a decisão. A entidade encaminhou ofício para a prefeitura como para a Câmara de Teresina pedindo a revogado da alteração e que a temática seja levada para discussão em audiência pública.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário