Greve dos ônibus em Teresina: Strans pede ilegalidade do movimento

O pedido será realizado através de intermediação do Ministério Público do Trabalho (MPT)

06/07/2020 15:51h - Atualizado em 06/07/2020 16:53h

Compartilhar no

ASuperintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) afirmou em nota na tarde desta segunda-feira (06) que vai ajuizar uma ação solicitando a decretação de ilegalidade da greve dos motoristas e cobradores de ônibus em Teresina que já dura mais de 50 dias. O pedido será realizado através de intermediação do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Foto: Portal O Dia.

Na manhã de hoje, representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários no Estado do Piauí (Sintetro) se reuniram com o Ministério Público do Trabalho (MPT) para discutir sobre o retorno parcial da frota de ônibus , mas o encontro acabou sem acordo resultando na suspensão da retomada do transporte público.

Os ônibus voltariam a funcionar a partir desta terça-feira (07), com 70% da frota de ônibus circulando nos horários de pico, de 6h às 9h e de 16h às 19h e 30% nas outras horas do dia.

Como vão funcionar os ônibus em Teresina?

Ficou estabelecido ainda que 87 ônibus voltassem a circular e, que estes, farão percurso dos bairros para as diferentes regiões da cidade.

O Sindicato também colocou em discussão o cumprimento de medidas sanitárias de combate ao novo coronavírus como a higienização dos coletivos além da realização de teste rápidos para trabalhados e melhor estrutura nas paradas finais.

Neste período, os passes estudantis e de idosos ficarão suspensos. A ideia da Prefeitura de Teresina é manter o fluxo baixo de circulação de pessoas no Centro para diminuir o contágio da Covid-19

Procurado pela reportagem, o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Teresina (Setut) disse que lamenta profundamente a nova posição do Sintetro, que, em total desrespeito ao que acordou perante o Ministério Público do Trabalho (MPT), não mais irá acatar a sua sugestão de voltar a operação, mesmo estando em greve, porém com 70% da frota nos horários de Pico e 30% nos horários de picos.

O Setut afirmou ainda que a entidade irá aguardar o posicionamento da PRT, tendo em vista que o sindicato não ingressou com dissídio de greve, por ter conseguido esse acordo com os sindicatos patronal e laboral, onde ambos já haviam concordado com o retorno da frota acima referida.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: PortalODia.com

Deixe seu comentário