Crise do transporte: motoristas anunciam nova paralisação nesta quinta-feira (21)

A paralisação acontece após o impasse com o Setut, que não assinou a convenção coletiva da categoria.

20/10/2021 16:12h - Atualizado em 20/10/2021 16:51h

Compartilhar no

O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Transporte Rodoviário da Capital (Sintetro) anunciou, na tarde desta quarta-feira (20), a paralisação dos motoristas e cobradores do transporte público de Teresina, que deve acontecer amanhã (21). A paralisação acontece após o impasse com o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano (Setut), que não assinou a convenção coletiva da categoria. 

A paralisação estava prevista para ocorrer na última segunda-feira (18), mas foi suspensa após reunião com a Procuradoria Geral do Município (PGM), que deu o prazo de até 72 horas para que o Setut se manifestasse sobre a assinatura da convenção coletiva. A categoria reivindica a garantia de direitos e benefícios já conquistados pelos trabalhadores do setor, que foram suspensos durante a crise da pandemia. 

O secretário de imprensa do Sintetro, Miguel Arcanjo, ressaltou a insatisfação da categoria com o Setut, que até o momento não entrou em acordou com as reivindicações da classe. 


Leia mais: Motoristas e cobradores aceitam acordo da PGM e suspendem greve dos ônibus em Teresina 



Foto: Arquivo / O Dia 

“Nenhuma proposta chegou aos trabalhadores. Amanhã vamos nos concentrar em frente à sede do Sintetro, a partir das 5h da manhã, em manifestação e repúdio por tudo que o Setut vem fazendo com os trabalhadores. Eles conseguiram tudo que queriam com a Prefeitura, mas infelizmente não fizeram nenhuma proposta para os trabalhadores do transporte, que já se sacrificaram ao máximo. Em virtude disso, vamos paralisar”, disse o representante. 

A convenção coletiva de trabalho vem sendo discutida pelos trabalhadores e empresários desde o último dia 12 de outubro. Além do acordo dos trabalhadores, o sindicato também busca a discussão da recontratação dos funcionários que foram demitidos durante a crise sob o risco de não haver mão de obra suficiente que atenda à demanda de ônibus na cidade. 

Impasse 

O retorno definitivo do transporte público de Teresina segue dependendo de um acordo entre os empresários e os trabalhadores do setor. Segundo informou o Sintetro, durante a pandemia cerca de 70% dos trabalhadores do setor de transporte público de Teresina foram demitidos. Antes da crise sanitária, o segmento contava com aproximadamente 1.600 profissionais divididos entre motoristas, cobradores, fiscais e manutenção. Hoje, este número não chega nem a 500. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário