Câmara discute apoio psicológico para estudantes da rede pública de Teresina

O vereador Leonardo Eulálio, que propôs a pauta, destaca que o serviço não é oferecido aos estudantes da rede pública

23/08/2021 11:37h

Compartilhar no

A Câmara Municipal de Teresina realizou nesta segunda-feira (23) uma audiência para tratar sobre a saúde mental dos estudantes da rede pública da capital. Na pauta, os vereadores discutiram a necessidade de auxílio profissional nesse retorno de volta às aulas.

O vereador Leonardo Eulálio (PL), que convocou a audiência, enfatizou a importância do tema devido aos altos índices de casos de depressão, automutilação e evasão escolar. O parlamentar destaca que essa assistência já existe nas escolas particulares e deve ser expandida também para a rede pública de ensino.

“Com essa pandemia, todas as doenças psicossociais se intensificaram, e as nossas crianças  estão abandonando mais os colégios. São mais casos de suicídios, de automutilação, as crianças precisam de mais atenção e de um diagnóstico psicossocial mais breve. Um País sem educação continuará sendo um País pobre. precisamos do acompanhado de psicólogos e assistentes sociais às crianças de baixa renda. Todos os colégios da rede privada possuem esses profissionais e não podemos deixar as crianças de baixa renda sem essa necessidade”, destaca Leonardo Eulálio.

(Foto: Assis Fernandes/ODIA)

O psicólogo Eduardo Moita enfatiza que desde meados dos anos de 1980 as escolas particulares de Teresina dispõe de auxílio psicológico para os estudantes. Entretanto, esse acompanhamento profissional não é oferecido aos alunos da rede pública de ensino. Ele acrescenta que crianças e adolescentes lidam diariamente com inúmeras cobranças e que isso afeta diretamente a saúde mental das jovens. 

“Porque nossas crianças da rede pública de ensino não têm esse direito? A psicologia vem com uma preposição de inclusão, do princípio de dar oportunidade diferente para aqueles que precisam de oportunidade diferente. Precisamos entender que uma Educação verdadeiramente inclusiva só vai acontecer quando a sociedade entender as diferenças que as crianças e adolescentes têm, fomentando esse aprendizado, inclusão social e equilíbrio emocional. Não adianta termos jovens preocupados com notas, mas extremamente desequilibrados e fora de questões que são muito importantes para o aprendizado e saúde mental”, complementa.

O vereador Leonardo Eulálio comenta que a pauta segue agora para as Comissões para análise e reforça que a implantação deste atendimento deve ser custeado pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). “Sabemos que isso tem um custo para a Prefeitura, mas o Fundeb deverá ser responsável por isso”, disse.

Participaram da audiência pública representantes do Conselho Regional de Psicologia do Piauí, assistentes sociais, do Ministério Público e das secretarias de Administração, Educação e Planejamento. 

Sem transporte

Questionado sobre como os estudantes da rede pública irão se deslocar até as escolas, devido a falta de ônibus coletivo em Teresina, o vereador Leonardo Eulálio destaca que, além da CPI do Transporte Público, a Casa apresentou alternativas ao poder público, que agora deve adotar medidas para implantá-las. 


Leia também: Setut questiona constitucionalidade do projeto de táxi-lotação


“A Câmara Municipal está se debruçando sobre isso, apresentou alternativas: a CPI e o Táxi lotação, que daria para deslocar até quatro pessoas. Cabe ao poder executivo desenrolar essa problemática”

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário