Avião bimotor cai na Zona Rural de Teresina; Corpo de Bombeiros é acionado

As primeiras informações de populares são de que o piloto da aeronave, único ocupante, morreu no local

28/08/2020 14:03h - Atualizado em 28/08/2020 18:13h

Compartilhar no

Um avião bimotor caiu na região do Taboca do Pau Ferrado, naZona Rural de Teresina, por volta das 13h desta sexta-feira (28). O Corpo de Bombeiros foi acionado e confirmou que o piloto identificado apenas como Leandro, único ocupante na aeronave, morreu carbonizado.


Leia também

Queda de avião em Teresina: Piloto pode ter tentado pouso forçado 


"Não temos ainda informações técnicas da aeronave. O que temos de informação é que um corpo homem, ainda não identificado, foi encontrado carbonizado", disse o Coronel Veloso, do Corpo de Bombeiros.


Ainda segundo o Corpo de Bombeiros, três equipes trabalham na região, que é de difícil acesso. Partes da aeronave foi encontrada próximo ao Parque de Exposições. Até o momento, há informações do que teria provocado o acidente.

"Nós contemos os primeiros focos de incêndio e vimos o corpo em chamas. Foi quando o Corpo de Bombeiros chegou e isolou a área", disse uma testemunha. 

O avião de pequeno porte teria decolado do aeródromo Nossa Senhor de Fátima, na Cacimba Velha, mas logo depois perdeu o controle e caiu na mata. A perícia está no local para investigar as causas do acidente. 

Piloto pode ter tentado pouso forçado

O piloto pode ter tentado um pouso forçado ao perceber problemas mecânicos na aeronave. A constatação é dos primeiro levantamentos realizados pela equipe do Corpo de Bombeiros, ainda na tarde de hoje.

“Fomos acionado e de imediato viemos para o local da ocorrência. Agimos rápido para apagar o fogo evitamos que o fogo se alastrasse. De início, encontramos uma corpo carbonizado e fazemos uma varredura para ver se encontrávamos outro foco de incêndio ou alguma outra vítima", revelou o tenente Rafael Medeiros, do Corpo de Bombeiros.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Otávio Neto e Jorge Machado, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário