Marcelo Castro sugere participação de ex-presidentes em vacinação da Covid-19

O senador piauiense ainda criticou a forma como o país conduziu o enfrentamento à pandemia

20/12/2020 09:14h

Compartilhar no

O senador Marcelo Castro (MDB) sugeriu, durante sessão realizada pelo Senado nesta semana para debater a questão da vacinação contra o novo coronavírus (Covid-19) no país, que ex-presidentes da República participem da campanha como forma de incentivar a população a se imunizar contra o vírus. 

"O presidente Sarney, o presidente Fernando Henrique, Lula, Dilma, o Michel Temer, o Collor. Eu acho que poderiam também dar o exemplo junto com o ministro da Saúde [Eduardo Pazuello[ para mostrar para a opinião pública que é necessário para se tirar esse temor", disse o parlamentar piauiense na ocasião.

Senador Marcelo Castro (Foto: Arquivo/ODIA)

Apesar de não ter mencionado o atual presidente Jair Bolsonaro, que em outro momento declarou que não tomará a vacina, o ex-ministro da Saúde lamentou que enquanto outros países já começam a imunizar suas populações, os brasileiros ainda não vislumbram uma data para início da vacinação.

“Nós aqui [no Brasil], infelizmente, ainda estamos envoltos em questões filosóficas, ideológicas, religiosas, morais, se a vacina deve ser obrigatória, se não deve ser, se precisa assinar um termo de responsabilidade, se não, quando os outros países já estão tomando as providências para serem vacinados”, pontuou o emedebista.


LEIA TAMBÉM: Marcelo Castro anuncia recursos para combate ao coronavírus no Piauí 

Por fim, Castro ainda destacou que, considerando o quantitativo de casos da doença, o Brasil foi, ao lado dos Estados Unidos, o país com a pior condução do enfrentamento à pandemia no mundo. 


“O fato é que nós, em algum momento, não fizemos o dever de casa. Não estou criticando A, B ou C. Mas, se nós somos o segundo país do mundo em número de mortes, e não somos o segundo país do mundo em número de habitantes, evidentemente não tratamos este problema com a gravidade, com a seriedade, com a urgência com que ele precisaria ter sido cuidado. Não estou aqui jogando pedra em ninguém, nem acusando ninguém, estou constatando fatos”, concluiu o senador.


Compartilhar no
Por: Breno Cavalcante, com informações Agência Senado Notícias

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário