• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Graça Amorim critica vereadores faltosos: ausências prejudicam votações

A líder da base diz que faltosos chegam a dar desculpas rdículas, como a falta de terno.

17/10/2019 06:50h

Ao término da sessão plenária dessa quarta-feira (16), a vereadora Graça Amorim, líder do prefeito Firmino Filho (PSDB) na Câmara Municipal de Teresina (CMT), chamou a atenção dos seus pares para o horário de início e término das sessões. Ela solicitou ao presidente do parlamento municipal, vereador Jeová Alencar (PSDB), mais rigidez na aplicação do regimento interno da Casa aos faltosos.


Leia também: Graça Amorim nega dissidências na base aliada do Palácio da Cidade 


“O trabalhador comum quando não vai para o seu serviço tem o seu ponto cortado e descontado no salário”, argumentou a parlamentar. Segundo ela, os constantes atrasos ou ausências têm prejudicado a discussão e votação de alguns projetos importantes que tramitam no legislativo da capital.

"O vereador tem obrigação de saber os dias das votações. Tem dia nesta Casa que não se tem votação por falta de quórum. Existem matérias que precisam de quórum qualificado e às vezes há prejuízo e precisam ser retiradas de pauta. Chamamos essa atenção porque isso está virando uma constante, tem vereador que não sabe mais nem o caminho daqui”, protestou Amorim.


O Plenário da Casa tem deixado de apreciar projetos de interesse do Executivo, por falta de quórum - Foto: Elias Fontinele/O Dia

A parlamentar menciona que um dos argumentos apresentados por alguns colegas para faltar algumas sessões, mesmo estando na CMT, se refere à ausência de vestimentas adequadas. “Tem vereador que diz que não vai para votação porque está na Câmara, mas não trouxe o paletó, isso é ridículo!”, afirmou.

Por sua vez, Jeová Alencar atendeu a solicitação da vereadora e fez registrar em ata a reclamação e recomendação da parlamentar. “Cada um sabe da sua obrigação. O vereador às vezes falta e tenho que esperar ele dar entrada, às vezes, com um atestado, mas vossa excelência tem toda razão e fica feita a observação”, pontuou.

Por: Breno Cavalcante, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário