Dr. Pessoa diz que prefeitura tem dificuldades para honrar pagamento de servidores

O gestor coloca a culpa pela situação nos governos estadual e federal. Pessoa comentou ainda sobre risco de colapso na saúde.

24/06/2021 09:45h

Compartilhar no

O prefeito de Teresina, Dr. Pessoa (MDB), afirmou em entrevista à imprensa, que o salário dos servidores públicos chegou a ficar comprometido diante da atual situação financeira que o município enfrenta sob sua gestão. Em entrevista à TV Cidade Verde, o emedebista afirmou que a Prefeitura tem gasto 43,58% da receita líquida com saúde e que precisa dos governos estadual e federal para solucionar o impasse. 

“O prefeito esteve em Brasília pedindo, e não por pedir, mas porque a situação é difícil, inclusive pra honrar a responsabilidade com os trabalhadores de um modo geral, e não só da saúde”, disse o gestor, acrescentando que “a Constituição diz que a obrigação dos municípios é gastar 15%. Estamos gastando três vezes mais. O ministro disse que precisamos melhorar a nossa informação junto ao Ministério, mas tem também o governo estadual, com quem começamos as tratativas”. 

Dr. Pessoa disse que no primeiro quadrimestre deste ano, o governo estadual teria deixado de repassar R$ 17 milhões referente ao cofinanciamento e que o gasto da prefeitura com saúde fora do piso constitucional e que precisa ser pago pelo governo federal é R$ 117 milhões. 

Questionado se há risco real de atraso no salário dos servidores, Dr. Pessoa disse que trabalha para prevenir o problema. 


Dr. Pessoa diz que prefeitura tem dificuldades para honrar pagamento de servidores - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Colapso na saúde 

O prefeito repercutiu ainda uma fala do presidente da Fundação Municipal de Saúde, Gilberto Albuquerque, de que a saúde de Teresina pode entrar em colapso. “Ele é um grande secretário, bem quisto pelo pessoal do Estado e não ia falar por falar. Então onde estão os gargalos? Governo federal e governo estadual”, disse o prefeito, que não assume a responsabilidade pela gestão. 

Sem pagamento, enfermeiros não acreditam mais na palavra do prefeito e marcam paralisação para o dia 30 

Os profissionais de enfermagem que atuam na linha de frente contra a Covid-19 acionaram a Justiça para que a Prefeitura de Teresina pague os 20% do adicional de insalubridade. Desde o início do ano, a categoria busca diálogo com a gestão municipal e até conseguiu declarações positivas do prefeito Dr. Pessoa (MDB), contudo, se diz enganada após o pagamento nunca ter ocorrido. 

O Sindicato dos Enfermeiros e Técnicos em Enfermagem do Piauí (Senatepi) tem até uma cronologia de promessas da Prefeitura de Teresina que não se concretizam e prejudicam a atuação dos profissionais nas unidades de saúde da capital. 

No dia 15 de janeiro a gestão municipal garantiu que não cortaria a insalubridade. Após quatro dias em 19 de janeiro, os profissionais foram surpreendidos com o fim do benefício. A classe realizou manifestação contrária a decisão em fevereiro, e a Prefeitura voltou a prometer o pagamento. No salário do mês de março, porém, não apareceu o valor da insalubridade e ainda houve cortes nos valores dos plantões. 

Para o presidente do Senatepi, Erick Riccely, não é mais possível confiar nas declarações da gestão. “Confiar na palavra da Fundação Municipal de Saúde é complicado. Nada do administrativo se revolve. Por isso que estamos com ação judicial para essa reparação. Não tem como botar um profissional para trabalhar, correr o risco de morrer e se quer usufruir de um pequeno valor para ele se manter na linha de frente quando a própria vida dele não está assegurada”, disse. 

Paralisação 

A vacinação contra a Covid-19 em Teresina pode ficar prejudicada no próximo dia 30 de junho devido uma paralisação dos profissionais de enfermagem. O ato terá início às 7h nos Drivethru de vacinação de Teresina, com duração de 1h hora. A categoria reforça que será mantido os serviços de urgência e unidade de terapia intensiva (UTI). Na manifestação serão realizadas carreatas e mobilizações.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário