• Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Dias rebate declarações de Montezuma sobre operação Topique

'Lamento o uso político', foi o que disse o governador. Segundo Dias, o governo já vem estudando medidas para modernizar e aperfeiçoar uma nova forma de contratação de veículos para o transporte escolar.

11/10/2019 06:55h - Atualizado em 11/10/2019 07:27h

As declarações do secretário municipal de Educação de Teresina, Kleber Montezuma, acerca da operação da Polícia Federal que cumpriu mandados de busca e apreensão no Palácio de Karnak foram rebatidas nesta quinta-feira (10) pelo governador Wellington Dias (PT).

Para o chefe do Executivo estadual, a fala do secretário, apontado como pré-candidato a prefeito da capital, teria motivações políticas. “Todos sabem como se deu essa operação, mas o Palácio não é investigado e o governo é vítima nesse processo. Lamento o uso político disso, principalmente de quem mais conhece sobre esse processo”, comentou. 


Leia também: 

Recursos desviados dariam para adquirir 200 ônibus escolares, diz PF 

PF cumpre 19 mandados judiciais e faz buscas no Palácio de Karnak 

Governo fala em 'abuso de autoridade' sobre ação da PF 


A operação Topique, como foi batizada pela PF, apura supostas irregularidades nos contratos de licitação do transporte escolar do Estado, mencionada por Montezuma quando esteve, na última quarta-feira (9), prestando esclarecimentos sobre a contratação de veículos para prestação do mesmo serviço na capital. 


O governador comentou que o Estado é vítima no processo - Foto: Elias Fontinele/O Dia

Por sua vez, o governador reforçou que as investigações policiais se referem a ações praticadas na gestão anterior a sua, mas pontuou que todos os acusados devem ter o legítimo direito à defesa. “Quero tratar sempre todas as pessoas com muito respeito e Deus me livre estar usando de situações como essa para achacar quem quer que seja”, disse.

Segundo Dias, o governo já vem estudando medidas para modernizar e aperfeiçoar uma nova forma de contratação de veículos para o transporte de alunos da rede estadual de ensino, não mais por quilometragem, mas pela quantidade de passageiros. “Estamos adotando um critério em que tenhamos um cálculo mais seguro e justo”, finalizou.

Por: Breno Cavalcante, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário