Com 90 pacientes em fila de espera, Prefeitura convoca reunião de emergência

São 17 pacientes aguardando leitos de UTI e 33 aguardando leitos clínicos vagarem nos hospitais regulados pelo Município.

08/03/2021 12:50h - Atualizado em 08/03/2021 13:57h

Compartilhar no

Teresina amanheceu esta segunda-feira (08) com 17 pacientes em uma lista de espera por leitos de UTI covid-19. Com o sistema de saúde pública municipal colapsado e a pandemia em ritmo crescente, a Prefeitura de Teresina convocou uma reunião emergencial para o início da tarde de hoje (08) com secretários municipais, auxiliares e diretores administrativos. 


Leia também: Covid: Pico da segunda onda pode ter 40 mortes por dia, diz pesquisador da UFPI


O objetivo é unir esforços e planejarem ações de coletiva e enfrentamento mais direto e efetivo à pandemia de coronavírus e reduzir os índices de contaminação e óbitos na capital. Teresina conta no total com 118 leitos de enfermaria e 38 leitos de UTI disponíveis nos hospitais regulados pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). São eles: Hospital do Monte Castelo, Hospital do Dirceu II, HUT, Hospital Mariano Castelo Branco, Hospital do Parque Piauí e o Hospital do Promorar.

Sem vagas disponíveis nos hospitais, a lista de espera já conta com 17 pacientes graves aguardando leitos de UTI e 33 pacientes aguardando leitos clínicos vagarem em Teresina.


Gilberto Albuquerque, presidente da FMS - Foto: O Dia

De acordo com o presidente da FMS, o médico Gilberto Albuquerque, entre as pautas da reunião, será tratado sobre o apoio logístico de transporte de servidores administrativos, recursos financeiros e a questão da paralisação dos enfermeiros e técnicos de enfermagem da saúde pública municipal“Precisamos ter todas as secretarias unidas nesse objetivo. Chegou ao extremo e precisamos de um esforço em conjunto, um esforço máximo para que possamos combater esse momento tão difícil”, declarou Gilberto Albuquerque. 

A reunião acontece agora às 13 horas no Palácio da Cidade.

Estado quer alugar leitos na rede privada

Com o sistema de saúde estadual também em colapso por conta da alta nos índices da pandemia de covid-19, o Governo do Estado tem procurado alternativas para ampliar a oferta de leitos e diminuir a lista de espera de pacientes por uma vaga nos hospitais. Uma das alternativas pensadas é o aluguel de leitos da rede privada de saúde. A informação é do secretário de Saúde, Florentino Neto, durante entrevista à uma TV local.

De acordo com ele, precisa conscientização e senso de realidade por parte da população. “Estamos tendo o diálogo com a rede privada para tentar alugar leitos da rede privada. O que precisa é a conscientização. Não podemos ter toque de recolher na cidade e a gente ir para sítios fazer festas. Se isso acontecer, nós vamos continuar precisando de leitos e vai chegar o momento que nós não vamos ter. Essa é a realidade, é isso que nós estamos vivenciando", disparou Florentino.


Florentino Neto, secretário estadual de Saúde do Piauí - Foto: Jailson Soares/O Dia

Ele ressaltou que no momento, a rede pública de saúde está esgotada e não tem capacidade de resposta em tempo hábil para evita que vidas se percam. Florentino lembra dos protocolos para recebimento de pacientes nos hospitais, o que torna ainda mais demorada a espera por uma vaga. 

“Temos pessoas esperando na fila por leitos todos os dias. Nós tínhamos capacidade de atender aos pedidos por leitos, mas nesse momento, não temos mais a capacidade do pedido chegar e atendermos imediatamente. A gente passa algumas horas para poder admitir a pessoa. É necessário ter uma criação de leitos ou esperar algum ficar vago”, finaliza o gestor.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Colaborou: Ithyara Borges

Deixe seu comentário