• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Travesti é assassinada a tiros às margens da BR-316 em Teresina

O crime aconteceu no final da noite deste domingo (06). Vítima teria sido abordada por dois homens em uma motocicleta. Polícia Civil investiga.

07/10/2019 07:43h - Atualizado em 08/10/2019 18:00h

Uma travesti, identificada como Paola Araújo foi assassinada com vários tiros na cabeça às margens da rodovia BR-316, na zona Sul de Teresina. O crime aconteceu por volta das 23h30min da noite deste domingo (06). Policiais militares foram acionados e estiveram no local, mas quando chegaram, Paola já estava sem vida.



Leia também: Teresina registra cinco homicídios em apenas três dias 


De acordo com a PM, o crime teria sido cometido por dois homens em uma motocicleta. A perícia feita no corpo de Paola constatou que ela foi atingida com pelo menos cinco disparos de arma de fogo . Como nada de valor material foi levado da vítima, o que poderia configurar um latrocínio, a PM acredita que o crime se trate de uma execução.


Foto: Arquivo O Dia

O corpo de Paola Araújo foi encaminhado para o IML de Teresina. Policiais militares ainda fizeram diligências na região à procura de suspeitos, mas até o momento ninguém foi preso. O caso seguirá sob investigação da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

"Apesar de todos os esforços, a violência está no nosso dia a dia"

Quem se manifestou sobre o assassinato de Paola Araújo foi a coordenadora do Grupo Piauiense de Transexuais e Travestis (GPTrans), Maria Laura dos Reis. Por meio de sua rede social, ela disse que Paola sempre atuou em diversas atividades de promoção e defesa da cidadania, mas que, mesmo assim, foi vítima da violência.

"Apesar dos nossos esforços incansáveis contra toda e qualquer forma de discriminação, a violência está presente no nosso dia a dia, por isso temos que estar sempre vigilantes, atuantes e jamais desistir de lutar. Paola, guerreira, deixa aqui um grande legado de enfrentamento às situações de preconceito e discriminação", escreveu Maria Laura.

A coordenadora do GPTrans aproveitou para lembrar que, no Brasil, a expectativa de vida de travestis e transexuais é de apenas 35 anos e que o caso de Paola não passará impune. "Com certeza seremos resistência, estaremos aqui lutando para que os culpados pela sua morte sejam punidos na forma da lei", finalizou.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário