• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Mulheres são vítimas preferenciais de roubo de carro em Teresina

Segundo o delegado Éverton Férrer, a zona Leste lidera o índice de carros roubados, enquanto a Santa Maria da Codipi possui a maior incidência de roubos de motocicletas.

03/10/2019 11:48h - Atualizado em 03/10/2019 18:33h

Dados revelados pelo delegado Éverton Férrer, titular da Delegacia de Polícia Interestadual (Polinter), ao O Dia apontam que as mulheres são os alvos preferenciais das quadrilhas especializadas em roubo de veículo em Teresina. No entanto, a estatística não se repete quando se considera os roubos de motocicletas.

Uma estudante de medicina foi uma das vítimas desse tipo de crime na Capital. A jovem teve o veículo roubado na Rua Firmino Pires, em julho deste ano. Um vídeo feito por uma câmera de segurança mostra o momento exato do crime

Os dois suspeitos passam ao lado do Etios, que está parado na rua, e um deles olha para dentro do veículo. Ao verificar que uma mulher estava na direção, sozinha, ele saca o que seria uma arma de fogo e começa a apontar em direção à vítima.


Em entrevista ao O Dia, a jovem relatou que ficou nervosa ao perceber que estava sob a mira de uma arma e, por conta disso, demorou alguns segundos para abrir a porta do veículo. 

Após a abordagem a vítima sai do carro e um dos criminosos assume o volante, saindo com o carro em seguida na companhia do comparsa.

Apesar de não confirmar o índice das vítimas preferenciais, o roubo de motocicletas também é comum na Capital. Em dois vídeos aos quais o O Dia teve acesso mostram duas mulheres sendo vítimas desse tipo de crime em Teresina. 

Em ambos os vídeos, os assaltantes agem em duplas a pé, abordando as mulheres enquanto trafegam em ruas de pouco movimento. Uma das vítimas chega a travar luta corporal com os assaltantes, mas não consegue impedir que o veículo seja roubado.


Segundo as estatísticas criminais da Secretaria de Segurança Pública do Piauí, a Capital registrou uma média de 10 roubos de veículos por dia em agosto, mês com o recorde de casos registrados na cidade este ano. Ao todo, somente em 2019, mais de 2.149 veículos foram roubados na Capital, com redução apenas nos meses de junho e julho.


“O que puxa todo esse aumento e essa redução são as motocicletas. A gente percebe que o roubo de carro se mantém estável, assim como a recuperação, em torno de 80% dos casos”, explica o delegado da Polinter. 

No entanto, segundo ele, o roubo de motocicletas puxa outros índices de criminalidade na capital, como o roubo a transeuntes e residências. “Quem vai praticar roubo a transeunte normalmente rouba uma motocicleta previamente e vai cometer esses crimes”, afirma.

Zona Leste é campeã em roubo de carros

Com relação às regiões com maior índice desses crimes, o delegado revela que a zona Leste da Capital possui o maior índice de roubo de carros, enquanto a região da Santa Maria da Codipi possui a maior incidência em roubos de motocicletas.

“A gente trabalha para desenvolver o trabalho interno e direcionar as equipes de investigação, no sentido de trabalhar a prevenção para evitar que o crime ocorra. Apesar da Polinter estar focada no pós-crime, ou seja, depois que o crime aconteceu, vemos os casos e tentamos estreitar a parceria com a PRF e com a PM para impedir que novos crimes ocorram”, destaca.

Titular da Polinter, delegado Éverton Férrer. (Foto: Assis Fernandes/ODia)

Prevenção

Para evitar novas ocorrências, o delegado Éverton Férrer faz um alerta aos motoristas da Capital. Segundo ele, é preciso ter cuidado especialmente nas chegadas e saídas de local, sejam residências ou no trabalho, além de observar a aproximação de veículos suspeitos. “O criminoso não anda apenas de moto ou a pé”, orienta o titular da Polinter.

Em relação às motocicletas, os condutores devem dar preferência aos estacionamentos em locais fechados e evitarem deixar os veículos em locais expostos. “Até porque é um bem que não tem tanta segurança quanto um carro, como a questão da chave codificada”, completa.

Ouça as dicas do delegado Éverton Férrer:


Por: Nathalia Amaral e Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário