• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Acusado de matar padrasto no Bela Vista é preso em barreira policial

José de Andrade Silva Filho ainda chegou a acelerar o carro usado na fuga e os policiais tiveram que estourar os pneus do veículo para impedi-lo.

25/10/2019 07:38h - Atualizado em 25/10/2019 11:21h

O acusado de tirar a vida do próprio padrasto na tarde de ontem (24) no bairro Bela Vista, zona Sul de Teresina, foi preso cerca de cinco horas depois do crime em uma barreira policial no Lourival Parente. A informação foi confirmada pelo capitão Fábio Soares, coordenador de policiamento do 6º BPM. José de Andrade Silva Filho estava no próprio carro, um Corsa Classic branco, quando foi parado pelos policiais.


Leia também: Enteado mata padrasto a golpes de faca em residência na zona Sul 


Ele chegou a fazer menção de acelerar o carro quando foi parado pelos PM’s, mas foi impedido. “Na abordagem, ele parou, mas vimos que não desligou o veículo e acelerou, fazendo menção de furar o bloqueio e sair dali. Nós tivemos que atirar nos pneus e estourá-los para evitar que ele empreendesse fuga. Depois de reconhecido e de ser dada a voz de prisão, ele não teve mais nenhuma reação”, relatou o capitão Fábio.


Foto: Reprodução/WhatsApp

Preso em flagrante, José de Andrade Filho foi levado para a Central, onde foi autuado por homicídio. O carro usado na fuga acabou ficando apreendido.

Entenda

José de Andrade Silva Filho matou a golpes de faca o próprio padrasto, identificado por Luís Lopes da Costa, 55 anos, na tarde desta quinta-feira (24), dentro da própria residência no Bela Vista. O acusado tem 30 anos e morava com Luís desde os 10 anos de idade. Já a vítima era proprietário da casa de show Forró do Lula, na Capital.

A perícia da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) esteve no local e constatou que a vítima foi atingida com quatro facadas nas costas, braços e pescoço. Os motivos do crime ainda não ficaram claros para a polícia, que segue com as investigações.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário