• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Ventos alcançaram 70 Km/h durante chuva, diz climatologista

Segundo Werton Costa, a chuva que caiu ontem em Teresina foi provocada por um fenômeno chamado Vórtice Ciclônico de Altos Níveis, que causa tempo firme e favorece formação de nuvens carregadas.

20/11/2019 09:10h - Atualizado em 20/11/2019 18:19h

A forte chuva que caiu na noite de ontem pegou os teresinenses de surpresa, principalmente por ter acontecido durante o período mais quente do ano, onde as precipitações se tornam mais espaçadas, menores e quase escassas. Marcada por raios, o temporal teve ventos que podem ter ultrapassado os 70 Km/h. A informação é do climatologista Werton Costa, que explicou o que causou a chuva na Capital.

A previsão já apontava essa chuva que foi registrada na capital, inclusive com muita descarga elétrica e com uma quantidade fenomenal de raios. Isso deve-se à característica do sistema VCAN (Vórtice Ciclônico de Altos Níveis), que é o sistema atmosférico mais perturbador que existe, ou seja, tanto pode trazer chuva ou deixar o clima bastante seco.

“Teresina recebeu no começo da noite [de ontem] uma intensa atividade convectiva, formação de núcleo de temporal sob influência de um sistema atmosférico que costumeiramente visita o Nordeste entre setembro e fevereiro, que é o chamado Vórtice Ciclônico de Altos Níveis. Esse sistema tende a redistribuir a umidade em toda a região, provocando em sua área central condições de tempo firme, mas nas bordas, favorece chuvas com pancadas rápidas, intensas e localizadas acompanhadas de rajadas de ventos e raios". Segundo o climatologista foi registrada uma grande concentração de descargas elétricas na Grande Teresina e Timon”, explicou o climatologista. 

Veja abaixo:


De acordo com Werton Costa, a estação do Inmet na zona Norte de Teresina registraram rajadas de vento superiores a 52 Km/h, mas é provável que elas tenham ultrapassado os 70 Km/h, se observados os estragos causados, com queda de postes, danificação de rede elétrica e até mesmo o desabamento do teto de um posto de gasolina.

“Do ponto de vista da precipitação, da quantidade de chuva que foi medida, as estações do Inmet e do Cemaden detectaram volumes acumulados entre 5 e 20 mm, e a chuva teve seu pico com intensidade de moderada a forte”, di Werton Costa.

O climatologista enfatiza que as chuvas vão continuar acontecendo, não necessariamente com essa dimensão e quantidade de raios. O VCAN que provocou a chuva de ontem desapareceu, mas deixou uma marca: a umidade sobre o Piauí, que ainda vai provocar a formação de chuvas menores. “A tendência é que durante a semana aconteçam chuvas menos intensas, até porque não estamos nossa estação chuvosa. Digamos essas chuvas foram brindes”, conclui.

Por: Maria Clara Estrêla e Isabela Lopes

Deixe seu comentário