• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Piauí possui a segunda menor expectativa de vida ao nascer

IBGE: o piauiense vive em média 71,4 anos. Dados apontam que as mulheres do estado vivem cerca de 8,6 anos a mais que os homens.

28/11/2019 11:23h - Atualizado em 03/12/2019 12:37h

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (28) um levantamento sobre a taxa de mortalidade e a esperança de vida ao nascer dos brasileiros, com base nas estatísticas analisadas ao longo de 2018. A pesquisa aponta que o piauiense vive em média 71,4 anos, o que coloca o Estado como detentor da segunda menor expectativa ao nascer do país, perdendo apenas para o Maranhão, onde a população vive cerca de 71,1 anos.

Para efeito de comparação, o piauiense vive em média 8,3 anos a menos que os nascidos em Santa Catarina, por exemplo, que é o estado com a maior expectativa de vida ao nascer do Brasil (79,7 anos). 



Leia também:

Especial Centenários: qualidade de vida a serviço de todos 

A geração que ultrapassa os 100 anos, na Capital do Piauí 

Idosos comemoram independência na forma de viver a vida 


Observando-se o indicador por sexo, o Piauí também detém um dado que chama atenção: é que os homens piauienses possuem a menor expectativa de vida do país, vivendo em média 67,2 anos, idade bem inferior à média nacional que é de 72,8 anos. ou seja. Para efeito de comparação, os homens do Piauí vivem, em média, 9,2 anos a menos que o valor observado em Santa Catarina, onde eles possuem maior longevidade (76,4 anos). 


Foto: O Dia

Com relação às mulheres, a expectativa de vida ao nascer delas aqui no Piauí é de 75,8 anos. Isto implica dizer que as piauienses vivem até 8,6 anos a mais que os homens. Mesmo assim, ainda se trata de um patamar baixo se comparado com a realidade de outras unidades federativas. É que, segundo o IBGE, mesmo vivendo mais que os homens, as mulheres do Piauí ainda possuem um tempo de vida menor que o observado em estados como Santa Catarina, por exemplo, onde as mulheres vivem em média 7,2 anos a mais.

Idosos piauienses também possuem a menor esperança de sobrevivência do país

Considerando tanto 60 ou 65 anos a idade a partir da qual se pode definir os indivíduos como idosos, o Piauí seria o Estado brasileiro onde se encontra as mais baixas expectativas de sobrevivência nesta faixa etária para o público masculino: 17,9 anos para os homens de 60 anos; e 14,7 para os homens de 65 anos).  Isso significa dizer que os homens piauienses de 60 anos podem viver em média até os 77,9 anos de idade, e que os homens de 65 anos podem viver em média até os 79,7 anos.


Foto: O Dia

Já as mulheres piauienses de 60 anos, elas possuem uma expectativa de sobrevivência de 21,7 anos; no caso das de 65 anos, a expectativa de vida é de 17,9, ou seja, elas podem viver, respectivamente, até os 81,7 anos (as idosas de 60 anos) e até os 82,9 anos (as idosas de 65 anos).]

O fato de as idosas piauienses terem uma expectativa de sobrevivência maior que a dos idosos está associado à certa resistência que eles possuem em fazer um acompanhamento regular e só recorrerem ao médico quando já possuem um quadro diagnosticado e avançado. É o que pontua Naiara Dias, coordenadora da Unidade Básica de Saúde Cidade Verde: “a maioria dos idosos que acompanhamos é formada por mulheres e isso mostra que, apesar das campanhas para intensificar a importância de que todos se cuidarem, os homens seguem relutantes em buscar auxílio médico”.


Foto: Jailson Soares/O Dia

Piauí tem a menor probabilidade de um indivíduo do sexo masculino atingir os 80 anos

Em 2018, segundo observou o IBGE, a menor probabilidade de um homem chegar aos 80 anos foi encontrada no Piauí. Em cada grupo de mil pessoas do sexo masculino, apenas 425 podem atingir esta faixa etária. No caso das mulheres, a probabilidade é de que 587 pessoas a cada grupo de mil cheguem aos 80 anos. Observando-se os dois públicos, as chances de que um piauiense atinja os 80 anos de idade é de 162 mil para cada mil habitantes.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário