Piauí: Covid-19 matou quatro vezes mais que infarto em março

Segundo o Painel Registral dos Cartórios, o coronavírus também matou mais piauienses do que todas as demais doenças respiratórias juntas.

03/04/2021 12:24h - Atualizado em 03/04/2021 12:39h

Compartilhar no

Chegando ao pico da segunda onda da pandemia, o Piauí continua em alta na quantidade de casos e mortes por covid-19 registrados diariamente e um reflexo disso já pode ser observado nos registros de óbito junto aos cartórios do Estado. De acordo com um levantamento do Portal da Transparência e dos Cartórios de Registro Civil do Brasil, a covid-19 já matou quatro vezes mais piauienses do que o infarto agudo do miocárdio (IAM), por exemplo, que é a causa mortis de cerca de 70 mil brasileiros por ano, segundo o Ministério da Saúde.

De 01 a 31 de março de 2021, os cartórios de registro civil do Piauí lavraram 40 certidões de óbitos cuja causa mortis principal foi infarto. No mesmo período, foram lavradas 170 certidões tendo como causa mortis principal a covid-19. Para se ter uma ideia, quando se compara os óbitos por covid com os por Acidente Vascular Cerebral, esse número sobe: o coronavírus matou seis vezes mais do que o AVC no Piauí ao longo do último mês. Foram 28 registros de morte relacionada à doença contra os 170 por covid.


Leia também: Covid: Piauí pode ficar sem remédios para entubar pacientes em 20 dias 


Outro dado que chama a atenção no painel registral do Portal da Transparência diz respeito às doenças respiratórias: a covid-19 matou mais que todas as demais doenças respiratórias juntas durante o mês de março deste ano no Piauí. Foram 118 mortes por doenças respiratórias diversas (33 por insuficiência respiratória, 42 por pneumonia, 37 por septicemia, quatro por síndrome respiratória grave – SRAG – e duas com causa respiratória indeterminada). No mesmo período, foram 170 mortes por covid como causa principal.


Foto: Divulgação/Sesapi

A faixa etária de 70 a 79 anos entre os homens continua sendo a que mais concentra as mortes por covid-19 no Piauí. De acordo com o painel registral, de 01 a 31 de março deste ano, 65 das 170 certidões de óbito lavradas em cartório traziam como causa mortis principal o coronavírus entre os idosos de 70 a 79 anos. 

Mas o que chama a atenção, quando se observa a divisão por idade, é que as parcelas mais jovens da população, como os que possuem entre 30 e 39 anos, vêm apresentando um alargamento de sua curva de mortes pela doença: só em março de 2021, 18 pessoas tiveram registro de óbito lavrado no Piauí tendo como causa mortis a covid nessa faixa etária.

É importante ressaltar, e o levantamento do Portal da Transparência aponta, que a curva de crescimento dos óbitos por covid-19 no Piauí se encontra acima de todas as outras curvas de óbitos, incluindo as doenças respiratórias, as doenças cardiovasculares e as causas mortis indeterminadas.


Foto: Andreia Rego/Fotos Públicas

Como é feita a pesquisa

As estatísticas apresentadas pelo Painel Registral Covid-19 do Portal da Transparência se baseiam nas Declarações de Óbito registradas nos cartórios de todo o Brasil relacionadas à covid-19, sendo apresentada apenas uma causa para cada óbito. 


Leia também: Piauí: Mortes por covid-19 em 2021 já ultrapassam número de homicídios em 2020


Nas declarações enviadas pelos cartórios ao Portal da Transparência, além da covid-19 declarada como causa suspeita ou confirmada, procurou-se também avaliar outras causas relacionadas à doença por coronavírus como Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), pneumonia, insuficiência respiratória, septicemia, causas indeterminadas ligadas a doenças respiratórias, mas não conclusivas).

A atualização do Portal da Transparência pelos registros de óbito lavrados pelos cartórios de registro civil obedece aos prazos legais. Vale lembrar que a família tem até 24 horas após o falecimento para registrar o óbito em cartório que, por sua vez, tem até cinco dias para efetuar o registro de óbito e depois, até oito dias para enviar o ato à Central Nacional de Informação de Registro Civil, que atualiza a plataforma.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário