Maternidade Evangelina Rosa irá atender apenas casos de média e alta complexidade

As pacientes que precisarem procurar a maternidade de forma espontânea devem se atentar ao perfil de médio e alto risco da gestação.

02/06/2021 08:52h

Compartilhar no

Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi) anunciou que, a partir desta terça-feira (1º), a Maternidade Dona Evangelina Rosa, passará a atender apenas gestantes com o perfil de médio e alto risco. A decisão foi divulgada em portaria assinada pelo secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, e leva em consideração o perfil que a maternidade apresenta para o sistema de saúde do estado do Piauí, sendo unidade de referência para atendimento de gestantes de alto risco.


Leia também: Teresina não registra mortes por covid pela primeira vez depois de 8 meses 

Foto: Divulgação/CRM

De acordo com a Sesapi, uma superlotação na unidade ocasionada pela chegada de pacientes não regulados pela rede estadual pode levar prejuízo para o atendimento de casos de média e alta complexidade atendidos pela unidade. Por isso, a partir de agora, as pacientes que precisarem procurar a maternidade de forma espontânea devem se atentar ao perfil de médio e alto risco da gestação. Caso a gestante se encaixe em um perfil de baixo risco, deverá se direcionar às demais maternidades de Teresina ou dos municípios do entorno da Capital.

As áreas técnicas da Secretaria de Estado da Saúde, em conjunto com a equipe da Maternidade Evangelina Rosa e a parceria do município de Teresina elaboraram um plano de trabalho para ser executado deste dia primeiro de junho até o dia primeiro de agosto. Até o dia primeiro de agosto a maternidade continuará acolhendo, orientando e referenciando as gestantes que procurarem a maternidade por demanda espontânea. 

"As gestantes que chegarem foram do perfil serão orientadas e transferidas no retorno para os municípios. Nenhuma paciente que chegar na maternidade será retornada sem uma avaliação prévia ou sem uma orientação de onde ela realmente deve ser atendida ou prestar atendimento caso ela esteja dentro do perfil de atendimento da Maternidade Evangelina Rosa", explica a diretora de Unidade de Descentralização e Organização Hospitalar, Joselma Oliveira.

A diretora de Unidade de Descentralização e Organização Hospitalar destaca ainda que a meta dos trabalhos é fazer com que a Maternidade Evangelina Rosa funcione dentro do seu perfil de atendimento de média e alta complexidade de gestantes de alto risco.

“O estado vem fazendo um trabalho de preparação de todas as unidades que trabalham com o atendimento de gestantes no entorno das regiões Entre Rios e  Cocais, preparando maternidades e hospitais que realizam partos, capacitando profissionais e garantindo equipamentos. Dessa forma, garantimos um atendimento adequado para as pacientes em diversas unidades, evitando transferências que não se enquadrem no perfil da MDER ”, explica Joselma Oliveira.

Além de melhorar a qualidade do atendimento dos casos de alta e média complexidade que chegarem até a maternidade, a medida também ajuda a reforçar o papel dos municípios em qualificar suas ações do pré-natal, os pontos de atenção e referenciamento de pacientes de acordo com o que é preconizado no processo de regulação estadual.

Jefferson Campelo, superintendente de Organização do Sistema de Saúde da Sesapi, destaca os benefícios que a medida leva para o atendimento das gestantes piauienses. “Esse é um trabalho de reorganização da rede de acesso as gestantes no Piauí. Esse processo vai otimizar o atendimento das gestantes não somente na Maternidade Evangelina Rosa, como no entorno da região entre rios. Queremos um atendimento mais humanizado em toda a região entre rios, iremos hierarquizar a rede, atendendo um fluxo das gestantes da forma mais adequada”, explica o superintendente.

Compartilhar no
Edição: Com informações da Sesapi.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário