IBGE: alunas da escola particular são as que mais sofrem importunação sexual no Piauí

Quando o crime é estupro, as principais vítimas são alunas da rede pública. Na maioria dos casos de importunação sexual e estupro, os autores são namorados e parentes próximos.

10/09/2021 12:07h - Atualizado em 10/09/2021 12:19h

Compartilhar no

O IBGE divulgou nesta sexta-feira (10) a Pesquisa Nacional de Saúde Escola (PeNSE), que identifica comportamentos de risco e de proteção à saúde entre adolescentes brasileiros. Um dado chama a atenção no Piauí: 12,8% dos estudantes piauienses de 13 a 17 anos já sofreram importunação sexual.


Leia também: Vítimas de importunação sexual devem denunciar crime à polícia, diz delegada 


Importunação sexual é definida como crime pela Lei 13.718/18 e se caracteriza pela realização de ato libidinoso na presença de alguém de forma não consensual com o objetivo de “satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro”. Os casos mais comuns são de assédio sofrido por mulheres em meios de transporte coletivo, mas também são enquadrados neste tipo de crime beijos forçados e passar a mão no corpo alheio sem permissão. A pena para este tipo de conduta vai de um a cinco anos de detenção.

De acordo com a pesquisa do IBGE, quase 13% dos estudantes do Piauí das escolas públicas e privadas alguma vez na vida foi tocado, manipulado, beijado ou teve partes de seu corpo expostas contra sua vontade O índice está na média nacional, que foi de 14,6% para ocorrências deste tipo de crime. A nível de Brasil, o Piauí registrou a quinta menor proporção.


Foto: O Dia

A proporção de vítimas de importunação sexual aumenta consideravelmente quando se observa o público feminino em relação ao masculino: o número de estudantes do sexo feminino que afirmou já ter passado por este tipo de situação é mais do que duas vezes superior ao número de estudantes do sexo masculino: 7,3% deles disseram já ter sofrido importunação sexual enquanto que, entre elas, esse crime foi relatado em 17,7%. Nas instituições privadas, essa situação também é mais recorrente, tendo um índice de 16,5% enquanto que nas escolas públicas, a taxa foi de 12,2%.

O IBGE aponta que os namorados, namoradas, ex-namorados, ex-namoradas e “ficantes” são os que mais cometem crimes de importunação sexual, respondendo por 27% dos casos. Cerca de 22,6% dos adolescentes responderam que foi um amigo o responsável pelo ato e em 6%, o pai, mãe, padrasto ou madrasta são os autores do delito. Outros familiares foram apontados por 13,7% dos alunos e desconhecidos somam 22,7%. Considerando que os casos de violência sexual podem ter ocorrido mais de uma vez e, inclusive, terem sido praticados por pessoas diferentes, os escolares puderam identificar mais de um autor.


Leia também: Crimes de importunação sexual no Piauí sobem 618% em um ano 


No Piauí, 5,6% dos estudantes relataram já terem sido vítimas de estupro

A Pesquisa Nacional de Saúde na Escola, do IBGE, também se voltou para o crime de estupro. Aqui no Piauí, cerca de 6,5% dos alunos piauienses informaram que, alguma vez na vida, foram ameaçados, intimidados ou obrigados a terem relações sexuais ou qualquer outro sexual contra sua vontade. Novamente as mulheres aparecem como as maiores vítimas: 7,3%. Entre os homens, 3,7% relataram já terem sido vítimas de estupro.


Foto: Agência Brasil

Conforme o Código Penal Brasileiro, o crime de estupro consiste em constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso. A pena é de seis a dez anos de reclusão. Se a vítima tiver menos de 18 anos de idade, a condenação pode chegar a 12 anos.

Este tipo de violência foi mais frequente nas escolas públicas, que respondei por 5,8% das ocorrências. Já nas instituições privadas, a taxa foi de 4,4%. No Piauí, a média de adolescentes estudantes vitimas de estupro foi de 6,3%, o sétimo menor índice do Brasil.

Entre os estudantes que sofreram estupro, o principal responsável apontado foi o namorado ou a namorada, o ex-namorado ou ex-namorada, e o “ficante”. Algum amigo foi apontado como autor do crime em 22% dos casos no Piauí, e do pai, mãe, padrasto ou madrasta, em 8,2% das situações. Outros familiares foram apontados como os agressores em 24% das ocorrências.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário