Em Teresina, funcionários de empresa de call center denunciam atraso nos salários

Segundo relatos enviados ao O DIA, o estabelecimento não está respeitando o prazo de cinco dias úteis para o pagamento há cerca de três meses

11/06/2021 15:06h

Compartilhar no

Funcionários da Vikstar, empresa de call center localizada na zona Sul de Teresina e que presta serviço de telefonia móvel e fixo da operadora Vivo, denunciam atraso no pagamento de salário. Segundo relatos ao O DIA, a instituição não estaria fazendo o depósito no prazo de cinco dias úteis, como prevê a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). 

“Faz três meses que essa situação de atrasos salariais e greves de funcionários é recorrente. Este mês, até a presente data, nenhum funcionário recebeu seu salário a empresa se prontificou judicialmente a pagar nossos salários até o quinto dia útil deste mês e até o momento isso não aconteceu”, revelou uma colaboradora que preferiu não se identificar.

(Foto: Divulgação)

Recentemente a Vikstar anunciou o encerramento das atividades no estado e iniciou, após acordo mediado pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Soluções de Disputas (NUPEMEC) do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região (TRT 22), o processo de demissão dos  funcionários tanto na capital piauiense.

Apesar do acordo firmado com as empresas Telefônica Brasil (Vivo) e a terceirizada Vikstar Services Techonology estar sendo cumprido e respeitado, o Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações dos Estados do Piauí (SINTTEL-PI) afirma que o atraso no vencimento do pagamento dos salários dos funcionários se mantém.

“Na verdade não houve mudança deste panorama, que é de três meses atrás. Essa situação vem se arrastando e não temos modificação e uma posição da empresa. Já comunicamos inclusive o desembargador responsável pelo caso”, informou Cochise Silva, diretor de comunicação da entidade sindical.

Nossa reportagem não conseguiu contato com a assessoria de imprensa da Vikstar, mas o espaço segue em aberto para quaisquer esclarecimentos sobre a denúncia dos funcionários.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário