• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Criminosos tentaram explodir sede da PM em Castelo do Piauí

A ação contra a quadrilha que tentou roubar cofre do Bradesco resultou em nove prisões e apreensão de explosivos e armas longas.

21/02/2019 12:40h - Atualizado em 21/02/2019 18:06h

Os criminosos que atacaram a agência do Bradesco de Castelo do Piauí na última terça-feira (19) chegaram a lançar uma emulsão explosiva contra o quartel da Polícia Militar da cidade enquanto metralhavam o local e duas viaturas. Ao todo, nove pessoas foram presas envolvidas no crime, dentre eles assaltantes, traficantes de drogas e até um preso portando tornozeleira eletrônica.

As prisões foram efetuadas nas cercanias de Castelo e na zona Sudeste de Teresina, onde o grupo mantinha residências de apoio para guardar explosivos e armas. Dentre os presos em Castelo está um taxista, que estaria dando apoio na fuga dos suspeitos e transportando a irmã de um deles. Segundo o delegado Thales Gomes, coordenador do Greco, três dos detidos eram moradores de cidade e passaram informações à quadrilha sobre a movimentação na cidade e a melhor hora para eles agirem.


Quadrilha presa por tentativa de roubo a banco e ataque a sede da PM em Castelo. Foto: Divulgação/Polícia Civil

O líder do grupo foi apontado como sendo Wallison Eduardo Costa de Melo, conhecido como Gordinho. Ele já tem outras passagens pela polícia, é daqui de Teresina e foi preso no residencial Santa Lia, após reagir à abordagem. "Nós cercamos a casa, verbalizamos nossa presença e vimos que o Gordinho estava armado com uma arma calibre 12. Invadimos a residência e ele acabou se rendendo", foi o que relatou o delegado Gustavo Jung.

No confronto na residência, um dos suspeitos acabou sendo morto. Entre os presos há ainda um maranhense e um baiano.

Segundo a polícia, bando é suspeito de tentar explodir sede da PM em Castelo do Piauí. (Foto: Assis Fernandes/O Dia)

Arsenal 

A quadrilha portava um vasto aparato de armas e explosivos, alguns deles prontos para serem detonados. Uma equipe do BOPE teve que ser acionada para dar apoio na ação e desmontar as bananas de dinamite. O coronel Sousa Filho, comandante do Grupamento de Operações Especiais, explicou porque a tentativa de explodir o cofre do Bradesco foi frustrada,  "eles esconderam as bananas de dinamite no mato durante a noite e talvez a umidade tenha impedido a detonação". 

Material apreendido junto com a quadrilha. Foto: Assis Fernandes/O Dia

Segundo o coronel, foi o que também aconteceu com a emulsão jogada contra o quartel da PM. "Ela [dinamite] estaria úmida e não explodiu. Caso contrário, a sede do GPM de Castelo teria sido parcialmente destruída e poderia não haver sobreviventes", pontuou o comandante do BOPE.

Cofre não foi levado, mas agência foi roubada

Mesmo não conseguindo explodir o cofre da agência, os criminosos subtraíram alguns itens de dentro do local. Na residência de Ferdinando Felix da Silva, em Teresina, a polícia encontrou uma arma usada por seguranças do banco e coletes à prova de bala.

Polícia traça estratégias

Diante da magnitude da ação, a Polícia Civil está traçando ações para combater mais diretamente crimes contra instituições financeiras, sobretudo em áreas de fronteira, como a região de Castelo. "Este foi o primeiro ataque a instituição financeira no Piauí este ano e o planejamento inclui montar barreiras e situar viaturas nas principais vias de rotas de fuga", disse o delegado geral de Policia Civil, Luccy Keikko.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário