• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Capitania abre inquérito e apura acidente na Barragem de Bocaina

Na última sexta-feira (18), um casal ficou gravemente ferido após o veículo aquático em que estavam colidir com outro veículo parado às margens da barragem.

22/10/2019 10:28h - Atualizado em 22/10/2019 20:35h

A Capitania dos Portos do Piauí abriu um inquérito administrativo para apurar as causas e identificar os responsáveis pelo acidente que vitimou gravemente duas pessoas na Barragem de Bocaina no último dia 18. A ocorrência envolveu uma moto aquática (jet-ski), um dispositivo de reboque um outro veículo que estava parado às margens da barragen, que fica a 315 Km de Teresina.

A Capitania dos Portos do Piauí enviou uma equipe de peritos ao local na manhã de hoje (22) para fazer as devidas averiguações.

Por meio de nota, o órgão da Marinha deu detalhes do acidente. “A Moto Aquática [jet-ski] usava um dispositivo de reboque com um bote, onde encontravam-se dois passageiros, de 21 anos e 22 anos [...] Após uma manobra realizada pelo condutor, o bote que estava sendo rebocado colidiu com outra embarcação a qual encontrava-se parada”.


Barragem de Bocaina, onde houve o acidente - Foto: Reprodução

As vítimas foram identificadas como sendo Alan Bruno da Silva Sousa e Thallia Bezerra, que foram encaminhados em estado grave para o HUT.

Ocorrências têm sido frequentes

Este já é o segundo acidente envolvendo moto aquática registrado no Piauí em pouco mais de um mês. No dia 15 de setembro, uma jovem de 21 anos, identificada como Maria Luiza Carneiro, morreu após cair do jet-ski em que estava acompanhada de uma amiga, na Lagoa do Portinho.  Nenhuma das duas usava coletes salva-vidas ou qualquer outro equipamento de segurança. 

Populares informaram que o condutor do veículo estaria fazendo várias manobras, o que levou as meninas a se desequilibrarem. A outra jovem ainda foi resgatada com vida, mas o corpo de Maria Luiza só foi localizado horas depois.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário