• Enem
  • Premium Outlet
  • Salve Maria
  • Jovens escritores 2019
  • Banner paraíba
  • AZ no rádio
  • cachoeir piaui
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Teresina é a 4ª capital com mais indenizações por acidente de trânsito

Conforme levantamento da seguradora Líder, responsável pelo seguro, a capital piauiense teve 61 indenizações pagas para cada grupo de dez mil veículos de sua frota.

02/05/2019 15:28h

O ano de 2018 foi considerado violento no trânsito de Teresina, o que foi confirmado não só pela alta no número de atendimentos a vítimas de acidentes, sobretudo aqueles envolvendo motocicletas, mas também pelo aumento considerável na quantidade de indenizações pagas pelo seguro DPVAT (Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas ou Não).

Um relatório divulgado pela seguradora Líder, responsável pelo seguro, dá uma dimensão da extensão dos danos causados pela violência no trânsito na capital piauiense, que registrou o quarto maior índice de pagamento do seguro DPVAT do país.

No ano de 2018, o índice de pagamento do seguro em Teresina foi de 61 indenizações a cada grupo de dez mil veículos. 

Indenização do DPVAT pode ser paga a qualquer cidadão acidentado em território nacional, seja motorista, passageiro ou pedestre, e oferece coberturas de até R$ 13,5 mil (Foto: Jailson Soares / O DIA)

Em números absolutos, isso significa dizer que foram pagas 2.968 indenizações na capital, uma média de oito por dia. No ano passado, a frota de Teresina era de 487.712 veículos. 

Entre as capitais, a do Piauí é a quarta do país onde houve mais pagamento de DPVAT, proporcionalmente. À frente ficaram apenas as cidades de: Boa Vista (Roraima), que teve índice de 81 indenizações a cada dez mil veículos; Porto Velho (Rondônia), que pagou 79 indenizações a cada dez mil veículos; e Campo Grande (Mato Grosso do Sul), que pagou 67 indenizações a cada grupo de dez mil veículos.

Já São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte foram as capitais que apresentaram os menores índices de pagamento de indenizações do DPVAT em 2018, registrando, respectivamente, 10, 12, 16 e 17 benefícios pagos para cada dez mil veículos.

Os dados da seguradora Líder mostram que, em todas as 27 capitais brasileiras, 71% dos pagamentos destinaram-se à cobertura por invalidez permanente (47.838 benefícios). 

Ainda segundo o levantamento, os jovens de 18 a 34 anos integram a faixa etária mais atingida em acidentes de trânsito nas capitais.

Em todo o Brasil foram pagas mais de 328 mil indenizações pelo Seguro DPVAT a vítimas de acidentes de trânsito e seus beneficiários, ao longo de 2018. 

Somando-se todas as capitais, foram mais de 64 mil benefícios pagos, ou seja, estas cidades são responsáveis por cerca de 20% das indenizações.

Quase 80% das indenizações pagas nas capitais são para acidentes com motocicletas 

Só as motocicletas são responsáveis por 77% dos seguros pagos nas capitais, o que equivale a mais de 50 mil indenizações. Este número representa mais de três vezes a quantidade de pagamentos feitos para casos envolvendo automóveis.

O DPVAT é um seguro obrigatório de caráter social que protege os mais de 209 milhões de brasileiros em casos de acidentes de trânsito, sem apuração da culpa. Ele pode ser destinado a qualquer cidadão acidentado em território nacional, seja motorista, passageiro ou pedestre, e oferece três tipos de coberturas: morte (R$ 13.500), invalidez permanente (até R$ 13.500) e reembolso de despesas médicas e hospitalares da rede privada de saúde (até R$ 2.700). A proteção é assegurada por um período de até 3 anos.

Dos recursos arrecadados pelo seguro obrigatório, 50% vão para a União, sendo 45% para o Sistema Único de Saúde (SUS), para custeio da assistência médico-hospitalar às vítimas de acidentes de trânsito, e 5% são direcionados para o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), para investimento em programas de educação e prevenção de acidentes de trânsito. Os outros 50% são direcionados para despesas, reservas e pagamento das indenizações.

Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário