• Canta
  • SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Só mudo se for cassado, diz Bolsonaro sobre seu estilo de governar

presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta sexta-feira (31) estar "comendo o pão que o diabo amassou" no governo, mas que só muda se cassarem seu mandato.

31/05/2019 18:02h

Durante almoço com caminhoneiros em Anápolis -a 50 km de Goiânia- o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta sexta-feira (31) estar "comendo o pão que o diabo amassou" no governo, mas que só muda se cassarem seu mandato. 

"Meu cabra, eu estou comendo o pão que o diabo amassou, tá? Não loteamos ministérios, bancos oficiais, estatais. Só muda se alguém cassar meu mandato", disse em tom de desabafo quando um dos participantes falou que estava faltando "boa vontade em Brasília".

Depois de cumprir uma agenda em Goiânia, onde participou de um encontro da igreja evangélica Assembleia de Deus, Bolsonaro parou em uma churrascaria que fica em Anápolis, na estrada que liga Goiânia a Brasília.

Ele chegou ao local acompanhado do ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) -escalado para responder as dúvidas dos caminhoneiro- do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO) e do porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros. 

Ao falar sobre as dificuldades em governar, Bolsonaro ouviu palavras de incentivos dos caminhoneiros. "Estamos com o senhor", disse um deles.

O local escolhido para o encontro se chama "Presidente posto e churrascaria - um amigo na estrada", onde Bolsonaro chegou por volta de 12h30 e permaneceu por 45 minutos.

Embora tenha dito que a escolha do restaurante foi "aleatória", ao deixar o local, ele disse que sua equipe fez um levantamento sobre a presença de caminhoneiros na região.

"Foi aleatória [a ida para o restaurante]. Foi feito levantamento de ontem para hoje de onde teria mais caminhões neste horário, eu estava vindo de Goiânia e paramos aqui para conversar com os caminhoneiros", disse.

O almoço com os caminhoneiros não estava previsto na agenda do presidente. Segundo sua assessoria de imprensa, ele decidiu de última hora e os caminhoneiros não pertencem a nenhuma associação ou grupo organizado.

O deslocamento foi feito por Bolsonaro e sua equipe de helicóptero e exigiu um reforço na segurança. 

O presidente passou a maior parte do tempo em silêncio, enquanto comia churrasco e bebia coca-cola. Coube a Tarcísio esclarecer as principais dúvidas sobre preço dos combustíveis, frete e outras dificuldades enfrentadas pela categoria.

Nas poucas intervenções que fez, Bolsonaro incentivou os caminhoneiros a darem entrada no pedido para porte de arma de fogo, se comprometeu a acabar com radares móveis e repetiu que vai prorrogar o tempo de validade da carteira de motorista de 5 para 10 anos, além de dobrar o limite de pontos de 20 para 40.

Questionado sobre se existia alguma iniciativa do governo para baixar o preço do diesel, Bolsonaro disse que isso dependia de um imposto estadual. 

"O que mais pesa no combustível é o ICMS, que é do estado. Não é a gente. Por isso que eu trabalho para privatizar o refino. Quanto mais tiver concorrência, melhor. Tá ok?"

O grupo de cerca de 30 caminhoneiros dirigiu uma série de dúvidas ao presidente e ao ministro. Quando um deles falou sobre dificuldades em rodovias não privatizadas, com pouca manutenção e segurança, o presidente citou como solução um decreto assinado por ele.

"No decreto, eu acabei com comprovar a efetiva necessidade. Por enquanto está um pouco caro ai, mas a gente vai diminuir isso ai, mas já abriu as portas, dá entrada. Tem um tempo de dois ou três meses que eu botei no decreto para conceder o porte", disse.

Ao falar sobre o tema, o presidente perguntou se a questão de armas tinha o apoio do grupo. Três presentes levantaram os braços.

"Quanto mais arma, mais segurança. Se tiver arma de fogo é para usar", disse Bolsonaro.

Um dos participantes perguntou sobre a idade de aposentadoria para caminhoneiros, se a categoria entrará na idade mínima de 65 anos, como prevê a proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo ao Congresso.

Bolsonaro brincou com o fato de Caiado, que estava ao seu lado, ter 70 anos. Ele pediu que o líder do governo respondesse a pergunta.

Major Vitor Hugo disse que não havia categoria especial para caminhoneiros, mas disse que a reforma da Previdência prevê um período de transição. 

O presidente não quis responder a questionamentos sobre protestos realizados na quinta (30) contra o bloqueio de verbas para Educação. 

"Ah, vamos falar sobre caminhoneiros, vai...", disse, demonstrando irritação e interrompendo sua fala. 

Fonte: Folhapress - Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Deixe seu comentário