Senadores revelam falha de segurança em Pedrinhas

Proibidos de acompanhar a inspeção realizada pelos parlamentares, cerca de 30 jornalistas entraram no presídio sem passar por revista

14/01/2014 07:29h

Compartilhar no

Uma visita da Comissão de Direitos Humanos do Senado ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no Maranhão, revelou ontem mais uma falha de segurança no local.

Proibidos pelo governo do Maranhão de acompanhar a inspeção realizada pelos parlamentares, ao menos 30 jornalistas conseguiram entrar no presídio sem passar por revista.

A Folha de S.Paulo já havia revelado a fragilidade do controle de acesso a Pedrinhas, onde 62 detentos foram mortos desde 2013, no sábado passado. Uma equipe do jornal entrou na Casa de Detenção, uma das oito unidades do complexo, com telefones celulares.

No início da tarde de ontem, quatro senadores da comissão visitaram Pedrinhas para conhecer o sistema carcerário do Estado. Os maranhenses Lobão Filho e João Alberto Souza, correligionários da governadora Roseana Sarney (PMDB), também integraram a comitiva. A imprensa foi proibida de acompanhar os parlamentares, mas os jornalistas conseguiram ingressar na Central de Custódia de Presos de Justiça graças a um descuido da segurança.

Segundo a repórter Jully Camilo, do “Jornal Pequeno”, do Maranhão, o grupo “forçou a entrada” depois que um fotógrafo da Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária foi autorizado a acessar o presídio.

Durante cerca de 15 minutos, os jornalistas conversaram com detentos, que relataram que suas famílias estão sendo maltratadas pela Polícia Militar - o complexo foi ocupado pela tropa de choque e pela Força Nacional de Segurança no final do ano passado - e disseram que iriam apanhar depois que a imprensa fosse embora.

Houve protesto dos presos quando os agentes penitenciários começaram a retirar os repórteres. Jully Camilo contou que um detento atirou uma marmita em um funcionário que tentou segurá- la pelo braço. Ela e uma colega acabaram atingidas pela “quentinha”.

Procurado no início da tarde, o governo do Maranhão não se manifestou sobre o episódio. A senadora Ana Rita (PT-ES), presidente da comissão, classificou como “muito deprimente” o espaço ocupado por presos condenados. “São cubículos sujos, apertados e superlotados”, disse.


Foto:Divulgação

Compartilhar no
Fonte: Folha
Edição: Jornal O DIA

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário