• Premium Outlet
  • Salve Maria
  • Jovens escritores 2019
  • Banner paraíba
  • AZ no rádio
  • cachoeir piaui
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Reformar da previdência militar com INSS é questão política, diz general

O comandante do Exército, general Edson Pujol, disse nesta terça-feira (26) que a tramitação simultânea da reforma previdenciária para militares e do regime geral é uma questão política e não militar.

26/02/2019 12:56h

Ao deixar o Senado após uma visita de cortesia ao presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), Pujol disse que a previsão de envio da proposta de aposentadoria dos militares não é assunto de sua alçada, mas do presidente Jair Bolsonaro.

"Não me diz respeito. Isso é uma questão do presidente do Executivo. Não sei", disse Pujol.

O comandante do Exército também não quis comentar a pressão de parlamentares para que a reforma da Previdência da população em geral caminhe ao mesmo tempo que as mudanças da aposentadoria dos militares.

"É uma questão política, não é uma questão militar", declarou.

Na segunda-feira (25), em evento promovido pela Folha e pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o governo precisa agilizar a entrega do projeto de lei que vai propor as mudanças nas regras previdenciárias das Forças Armadas.

A previdência dos militares não foi incluída na PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que altera as regras previdenciárias de civis nos setores público e privado. A proposta dos militares deve ser encaminhada via lei complementar.

Maia disse já ter se comprometido a só votar a reforma previdenciária dos militares no dia seguinte ao da votação das novas regras para o regime geral.

O presidente da Câmara afirmou que "tem que mandar o mais rápido possível, porque isso atrasa [a tramitação do texto já apresentado], há a compreensão do Parlamento de que todos os setores precisam estar na reforma".

Fonte: Folhapress - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Deixe seu comentário