Morre aos 76 anos Marco Aurélio Garcia, ex-assessor de Lula e Dilma

Assessor especial para Assuntos Internacionais dos governos Lula e Dilma sofreu infarto nesta quinta-feira em São Paulo.

20/07/2017 17:49h

Compartilhar no

O assessor especial para Assuntos Internacionais dos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Marco Aurélio Garcia, morreu aos 76 anos nesta quinta-feira (20), em São Paulo, vítima de infarto, informou o PT.

Marco Aurélio Garcia foi um dos fundadores do PT e ocupou a função de secretário de Relações Internacionais do partido. Era professor aposentado de história de Universidade de Campinas (Unicamp).

Enquanto esteve no Palácio do Planalto, ele despachou de uma sala no terceiro andar, localizada a pucos metros do gabinete presidencial. Entre os funcionários, ele era chamado de "professor".

Em texto publicado na internet, o PT afirmou que Marco Aurélio Garcia foi um "importante líder" na construção e execução da política externa brasileira, além de ser um dos "grandes apoiadores" do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e do fortalecimento das relações do Brasil com países do hemisfério sul, principalmente na África e na América Latina.


Marco Aurélio Garcia, ex-assessor de Dilma e de Lula (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Biografia

Segundo o site do PT, o ex-assessor especial de Lula e de Dilma nasceu em Porto Alegre (RS) e atuou no movimento estudantil de esquerda.

Nos anos 1960, foi vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) e vereador em Porto Alegre. Nos anos 1970 viveu na França e no Chile e voltou ao Brasil em 1979 para ajudar a fundar o PT.

Ainda de acordo com o site do partido, Marco Aurélio Garcia é formado em filosofia e em direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Ele tinha ter pós-graduação na Escola de Altos Estudos e Ciências Sociais de Paris

Além de professor da Unicamp, ele também foi professor na Universidade do Chile, na Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais e nas universidades Paris VIII e Paris X, na França.

Na área política, segundo o site do PT, Marco Aurélio foi secretário de Cultura de Campinas (1989-1990) e de São Paulo (2001-2002), além de vice-presidente do PT de outubro de 2005 a fevereiro de 2010.

Nas eleições de 1994, 1998 e 2006, ele coordenou o programa de governo de Lula e, em 2010, o de Dilma.

No governo Lula, Marco Aurélio ajudou o Brasil a expandir embaixadas na África. O assessor especial do presidente também atuou na aproximação do país com o regime de Hugo Chávez na Venezuela.


Marco Aurélio Garcia, ex-assessor de Lula e Dilma, em imagem de 2015 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Repercussão

Logo após a confirmação da morte de Marco Aurélio, políticos manifestaram pesar. A ex-presidente Dilma divulgou nota (leia a íntegra mais abaixo) na qual se referiu à morte do "amigo querido" como "extremamente dolorosa".

"Hoje é um dia de dor para todos nós, que compartilhamos com ele seus muitos sonhos, histórias e lutas. Era um amigo querido, de humor fino e contagiante, sempre generoso e cheio de ideias, dono de uma mente arguta e brilhante", afirmou.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), por exemplo, disse no Facebook que Marco Aurélio Garcia foi "muito importante" para o governo Lula na condução da política externa, "uma época em que o Brasil era respeitado no cenário mundial".

Também na rede social, o deputado Paulo Teixeira (SP), um dos vice-presidentes do PT, relembrou o "papel importante" de Marco Aurélio Garcia na formulação e na execução da política externa brasileira, que "sempre esteve ao lado da democracia e dos trabalhadores".

Em entrevista em São Paulo, Márcio Macêdo, outro vice-presidente do PT, afirmou que o momento é de "dor" porque o partido perdeu "um companheiro e amigo de todos".

Na mesma entrevista, o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP),disse que a participação "forte" de Marco Aurélio Garcia no governo foi um dos fatores para o "sucesso" que o Brasil teve no exterior entre 2003 e 2015.

No Twitter, o ex-governador do Rio Grande do Sul e ex-ministro Tarso Genro publicou: "Faleceu Marco Aurélio Garcia, amigo fraterno, grande quadro da esquerda e militante histórico do PT. Ser humano excepcional. Dor e luto."

Vice-presidente do PT, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha também comentou o assunto. Para ele, a esquerda perde "um dos seus maiores pensadores e incentivadores da solidariedade internacional".


O ex-assessor especial de Lula e de Dilma Marco Aurélio Garcia, durante entrevista em janeiro de 2015 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Íntegra

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada por Dilma:

NOTA DE PESAR

Dilma Rousseff: "Meu amigo querido, Marco Aurélio Garcia"

A morte do professor Marco Aurélio Garcia, meu amigo querido, é extremamente dolorosa. Desfrutei pela última vez de sua companhia há três semana. Conversamos sobre a vida e os momentos terríveis que o país atravessa.

Hoje é um dia de dor para todos nós, que compartilhamos com ele seus muitos sonhos, histórias e lutas. Era um amigo querido, de humor fino e contagiante, sempre generoso e cheio de ideias, dono de uma mente arguta e brilhante.

Meus sentimentos ao filho Leon, ao neto adorado Benjamin, aos familiares e todos os seus amigos.

É muito duro saber que não terei mais sua companhia, nem o prazer de ouvir sua poderosa gargalhada.

Um dia terrível para quem luta por um mundo melhor, com justiça social. Um dia muito, muito triste.

Dilma Rousseff

Compartilhar no
Fonte: G1

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário