• AZ no rádio
  • cachoeir piaui
  • Campanha salao
  • APCEF
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Mourão: Jean deveria ter ficado no Brasil para a gente protegê-lo

Segundo o general, não há nenhuma política do governo de perseguição às minorias e Wyllys deveria ter acreditado na lei, na política e na polícia brasileira.

10/04/2019 10:23h - Atualizado em 10/04/2019 10:35h

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta terça-feira (9) que o ex-deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) deveria ter ficado no Brasil para que a polícia e o governo pudessem protegê-lo.

Segundo o general, não há nenhuma política do governo de perseguição às minorias e Wyllys deveria ter acreditado na lei, na política e na polícia brasileira.

"No caso especifico de Wyllys, particularmente acho que ele deveria ter continuado [no país] e acreditado na nossa lei, na nossa política e na nossa polícia, então a gente poderia protegê-lo. Acho que ele deveria ter ficado. É muito triste quando coisas assim acontecem", disse Mourão em palestra no Brazil Institute, do Wilson Center.

O vice-presidente Hamilton Mourão (Foto: Romério Cunha / Vice-Presidência da República)

O ex-deputado renunciou ao mandato e saiu do país alegando estar preocupado com sua segurança e integridade física. Ele diz ter recebido ameaças de morte, intensificadas após o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ).

Questionado sobre o caso de Wyllys, o vice afirmou que o presidente Jair Bolsonaro -conhecidas por suas declarações tidas como racistas e homofóbicas- acredita que foi eleito para todo mundo que está no Brasil e que ele "não tem problemas com minorias".

"Nosso governo não tem política para perseguir minorias, esse não é o jeito que nos comportamos. Todo mundo que é brasileiro deve continuar no Brasil e deve estar livre de medo", afirmou Mourão.

"O que posso assegurar é que não há política do governo para perseguir quem quer que seja".

Primeiro parlamentar assumidamente gay a encampar a agenda LGBT no Congresso, Wyllys se tornou um dos principais alvos de grupos conservadores, principalmente nas redes sociais.

Durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara, Bolsonaro dedicou seu voto ao torturador Brilhante Ustra e levou uma cusparada de Wyllys, que alegou ter sido insultado pelo então deputado e hoje presidente.

Fonte: Folhapress
Por: Marina Dias e Patrícia Campos Mello

Deixe seu comentário