• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

'Palmeiras nem está olhando para o Flamengo', diz Vitor Hugo

De acordo com o discurso do zagueiro, o foco está no CSA, adversário de quinta-feira no Pacaembu.

25/09/2019 10:05h

O Palmeiras não está se preocupando com o desempenho do Flamengo, líder do Brasileirão. A afirmação é de Vitor Hugo, que prefere manter o foco, ao menos no discurso, no CSA, adversário de quinta-feira, no Pacaembu.

Em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira (24), o zagueiro disse que as partidas contra os times que brigam na parte de baixo da tabela são as mais importantes.


Leia também: Palmeiras fica na cola do Flamengo após vencer o Fortaleza 


"A gente nem está olhando, pensamos só na gente. Futebol é assim. Todos os times têm altos e baixos, estão numa fase boa e depois caem. A gente está trabalhando e fazendo o nosso", introduziu o atleta.

"Esse é um dos jogos mais importantes para as equipes que querem brigar pelas coisas grandes. Para pegar um grande, para jogar um clássico, você já tem a motivação, não precisa incentivar. Nesses assim você precisa estar mais concentrado ainda, especialmente porque eles vêm em um crescente", completou.

Perto de entrar no top 10 de zagueiros artilheiros da história do Palmeiras, Vitor Hugo citou a sua evolução técnica e tática no Palmeiras. Com 13 gols, ele está hoje a um tento de igualar Nen e Henrique, que têm 14 e fecham a lista dos maiores goleadores desta posição. O líder é Luis Pereira, com 35.


Vitor Hugo - Foto: Reprodução/Instagram

"A evolução foi muito grande, é impressionante. Em todos os aspectos, taticamente, tecnicamente, posicionamento no campo. Até a compactação do time é outra coisa. Foi uma mudança. Acho que estou pensando mais rápido, jogando com a cabeça erguida. Não virei um Messi, sei das limitações, mas procuro fazer um trabalho sério e jogar simples. Tenho um ditado: faça o simples bem feito que todos ficarão satisfeitos", afirmou.

Vitor, inclusive, lembrou os conselhos que recebeu de seus amigos e familiares na hora de virar um jogador de futebol. Ele brincou com a fama de ser um zagueiro "gente boa".

"Lá dentro eu não fico rindo muito, não. Antigamente falavam que zagueiro tinha que ser mal, os antigos falavam até que tinha que enfiar o dedo... (risos). Falavam para cuspir na orelha e no pescoço. Hoje em dia tem câmera para todo lado, a gente só tem que jogar sério. Lá na minha cidade (Guaraci, interior de São Paulo), os antigos falam isso até agora", brincou.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário