• Patrimônio 10/17
  • Unimed
  • assinatura jornal

Rapaz é preso após tentar atear fogo a ônibus dentro da UFPI

Grupo de cinco jovens vestindo capuzes ordenou que passageiros descessem do veículo e usaram gasolina ; Universitários que estavam no local apagaram as chamas.

11/01/2017 08:42h - Atualizado em 11/01/2017 09:11h

Um grupo tentou atear fogo a um ônibus durante a noite de ontem (10), dentro do campus da UFPI (Universidade Federal do Piauí). O coletivo da linha Universidade Circular 1 foi interceptado por um grupo de cinco pessoas, que mandou que os passageiros descessem e começou um incêndio. Um jovem foi preso.

Grupo tentou atear fogo a ônibus diante da Residência Universitária (Foto: Reprodução)

O fato aconteceu em frente ao prédio da Residência Universitária. Segundo relatos de universitários que moram no local, o grupo saiu de dentro do Centro de Tecnologia vestindo capuzes e, dentro do ônibus, mandaram que os passageiros e o motorista descessem do veículo. Depois, despejaram gasolina no veículo e tentaram iniciar um incêndio .

Seguranças da universidade dispararam para o alto, no intuito de debelar a ação. Após o início das chamas, o grupo se dispersou e fugiu. Alguns estudantes, moradores da Residência Universitária, trabalharam juntos para apagar o fogo. Segundo o capitão Craveiro, da Polícia Militar, o fogo foi extinto logo, e atingiu apenas os pneus do ônibus.


Dos cinco manifestantes, um foi capturado por seguranças da UFPI e um grupo de policiais do RONE (Rondas Ostensivas de Natureza Especial). O rapaz, de 23 anos foi conduzido para a Central de Flagrantes. O major Pessoa, comandante do 5º BPM, afirma que ele deve responder pelo crime de dano ao patrimônio privado.

Protestos contra aumento da passagem

Teresina tem assistido a diversos protestos contra o reajuste da tarifa do ônibus, que aumentou de R$ 2,75 para R$ 3,30 no último dia 6. Um ônibus foi incendiado na avenida Frei Serafim na última segunda-feira (9), durante manifestação que bloqueou a via. Outros protestos ainda podem ocorrer.

Edição: Nayara Felizardo
Por: Andrê Nascimento

Deixe seu comentário