• click
  • Unimed
  • assinatura jornal

Manifestantes incendeiam ônibus na Avenida Frei Serafim contra tarifa a R$ 3,30

Estudantes secundaristas e universitários iniciaram atos na tarde desta segunda-feira, no centro de Teresina, e seguiram para a avenida no final da tarde.

09/01/2017 19:05h - Atualizado em 10/01/2017 14:45h

Manifestantes que protestavam contra o aumento da tarifa do transporte público em Teresina para R$ 3,30 atearam fogo num ônibus da empresa Taguatur, na Avenida Frei Serafim, no início da noite desta segunda-feira (9).

O veículo foi incendiado próximo à concessionária Jelta, em frente ao Hospital Getúlio Vargas. Diversos usuários do transporte coletivo estavam numa parada próximo ao local, e todos saíram correndo quando o ônibus foi incendiado.

Usuários do transporte coletivo que estavam numa parada próximo ao local saíram correndo com medo de uma explosão (Foto: Cícero Portela / O DIA)

Corpo de Bombeiros foi acionado e a primeira viatura chegou ao local cerca de 20 minutos após as chamas começarem a consumir o veículo.

A coronel Júlia Beatriz classificou o ataque ao ônibus como um ato de vandalismo e afirmou que a PM não iria mais permitir que o protesto continuasse. "A manifestação estava sendo pacífica, mas este foi um ato de vandalismo, e a partir do momento que acontece isso nós não podemos mais permitir que a manifestação continue", afirmou a coronel.


Ônibus foi incendiado no início da noite por manifestantes que protestam contra o aumento da passagem de ônibus (Foto: Cícero Portela / O DIA)


O protesto realizado na tarde desta segunda-feira contou com a participação de aproximadamente cem pessoas, entre estudantes secundaristas e universitários, além de integrantes de movimentos anarquistas. 

Os manifestantes iniciaram os atos no centro de Teresina, e seguiram para a Avenida Frei Serafim por volta das 17 horas, quando começaram a obstruir a passagem de veículos no cruzamento com a Rua Coelho de Resende.

Depois de permanecerem no local por aproximadamente uma hora, os ativistas seguiram para outro cruzamento, da Avenida Frei Serafim com a Rua Desembargador Pires de Castro, e voltaram a interromper o trânsito nas duas vias.

Incomodados com o bloqueio, alguns motoristas chegaram a avançar com seus veículos em direção aos estudantes. Em dado momento, um jovem chegou a ser atropelado por uma Hilux de cor prata, mas não se feriu porque o veículo estava com a velocidade reduzida.


Os manifestantes só permitiam a passagem de veículos onde houvesse crianças, idosos ou pessoas doentes. As motos também eram autorizadas a passar, desde que os condutores descessem do veículo o empurrassem até transpor a barreira. Outros motociclistas, mais impacientes, aproveitavam os momentos de desatenção dos ativistas para furar o bloqueio. 

Jônatas Dias, estudante de Medicina da Universidade Estadual do Piauí, afirmou que, apesar do número reduzido de pessoas presentes no protesto, ele representa a revolta da grande maioria da população diante do aumento de 20% no valor da passagem.

"Esse movimento reúne estudantes das duas universidades públicas, secundaristas e trabalhadores. Esse aumento está fazendo com que inúmeras pessoas tenham dificuldade em ter acesso ao transporte público na nossa cidade, que, inclusive, é um serviço de péssima qualidade. Por isso, nós entendemos que não há justificativa para esse grande aumento imposto pelo Firmino. Nossa intenção é unificar nossos atos tanto na rua quanto na Justiça e fazer o prefeito recuar, para que o valor da passagem volte a R$ 2,75, visto que este aumento é ilegal", afirmou Jônatas Dias.


Para o acadêmico, o aumento da tarifa foi aprovado com o objetivo exclusivo de beneficiar os empresários do setor de transporte, embora a Prefeitura argumente que o reajuste tenha sido avalizado pelo Conselho Municipal de Transportes Coletivos, que reúne, além de representantes das empresas, usuários do transporte coletivo, representantes de instituições públicas e de diversas categorias, como servidores públicos, estudantes e sociedade civil organizada.

"A população está percebendo que esse aumento da passagem é indevido, e que essa planilha apresentada pelo prefeito, que diz que tem apoio do Conselho Municipal de Transportes, só recebe o apoio dos empresários, porque nenhum órgão da sociedade civil aprova esse aumento. O prefeito só congelou a tarifa dos estudantes, porque eles representam menos de 20% dos usuários do transporte público, e por isso acaba não gerando um grande impacto nas receitas das empresas", acrescenta Jônatas Dias.

O estudante universitário também comemorou a decisão do Ministério Público de pedir esclarecimentos da Prefeitura sobre o levantamento que apontou a necessidade de se realizar um reajuste de 20% no transporte coletivo da capital.

Veículos foram recolhidos após ataque

Logo após o incêndio, não foram vistos mais ônibus circulando pelas ruas e avenidas de Teresina.

Procurado pela reportagem, o Sindicato dos Rodoviários não foi encontrado para confirmar se a frota foi recolhida. As paradas de ônibus, no entanto, ficaram lotadas, e os usuários precisaram recorrer a táxis e mototáxis para se deslocar até seus destinos. Sem dinheiro, muitas pessoas foram a pé para casa.

Prefeitura lamenta ataque a ônibus e diz que responsáveis devem ser punidos

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Prefeitura de Teresina disse "lamentar a atitude de vandalismo, que não condiz com postura de estudantes". 

Além da Polícia Militar, o protesto foi acompanhado de perto por agentes da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), que auxiliaram os motoristas a desviar dos bloqueios feitos pelos manifestantes na Avenida Frei Serafim e ruas adjacentes. 

"Por se tratar de um ato de vandalismo, a Polícia deverá investigar e punir os responsáveis pela depredação do patrimônio", acrescentou a Prefeitura.

Ainda segundo a PMT, o ônibus incendiado pertencia à nova frota, era climatizado, adaptado para pessoas com deficiências e já tinha as portas adequadas para a integração do transporte público.

Setut diz que prejuízo maior é para o usuário do transporte coletivo

O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) divulgou, por volta das 20h30, uma nota em que repudia o ato de vandalismo que ocorreu na Avenida Frei Serafim. De acordo com a entidade, os usuários do sistema de transportes coletivos da capital são os maiores prejudicados com as depredações.

O Setut também informou que está tomando todas as providências no sentido de punir os autores do ataque.

Confira a nota do Setut:

O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina – SETUT vem a publico informar que repudia veementemente os atos de vandalismo ocorridos na noite desta segunda-feira (9), quando algumas pessoas, se passando por estudantes, depredaram um ônibus 0 Km com ar condicionado, do Sistema de Transportes Coletivos da capital, que deveria estar a serviço da população, causando, dessa forma, prejuízo não apenas para os empresários do sistema, mas principalmente ao usuário de transporte coletivo.

Dessa forma, a diretoria do SETUT comunica que todas as providências estão sendo tomadas no sentido de punir aqueles que praticaram o crime de depredação do patrimônio privado, e que, por sorte, não atingiu nenhum usuário ou funcionário do sistema, no momento do fato criminoso.

Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário