Pedro Bismarck vive recluso em sítio

<p> Nerso da Capitinga saiu de cena na telinha em 2012, mas ainda hoje n&atilde;o d&aacute; pra esquecer a performance de Pedro Bismarck na pele do caipira

09/07/2016 11:55h

Compartilhar no

Nerso da Capitinga saiu de cena na telinha em 2012, mas ainda hoje não dá pra esquecer a performance de Pedro Bismarck na pele do caipira. Por vinte e seis anos, ele divertiu o público como o personagem nos humorísticos Zorra Total e Escolinha do Professor Raimundo. Desde o fim do quadro, Pedro Bismarck voltou de vez para sua terra natal, onde vive num sítio em Piau, cidade de três mil habitantes no interior de Minas Gerais, a cerca de 30 quilômetros de Juiz de Fora.

De acordo com o jornal Extra, no refúgio do artista de 54 anos a tecnologia ainda é precária, a internet limitada e telefone não pega. Uma vida de paz e sossego para um vivo que perdeu recentemente a mulher, Maria José, falecida no última dia 18 de maio em decorrência de um enfarte fulminante.

"Acho que superar a perda de alguém que se torna um só, contigo, é impossível. Você nunca mais se torna o mesmo. Foram 33 anos de um casamento cheio de cumplicidade e muito feliz", lamentou ele ao jornal.

Apesar da dor, e como bom palhaço que é, Pedro não esquece nunca da sua missão na Terra.

"Recebi um dom de Deus, que foi o de trazer alegria para a vida das pessoas. E isso, consequentemente, me fez enxergar tudo com outros olhos. Não vou dizer que é fácil, mas estou seguindo com a minha missão, com a certeza de que ela (Maria) gostaria muito de que eu fizesse exatamente isso".

O humorista viaja o país com a peça Nerso em 3D, 30 Anos de Riso, um show comemorativo pelas três décadas do personagem que ganhou o Brasil e faz, em média, 15 shows por mês. Apesar de viver recluso, ele mantém um escritório na capital mineira para cuidar dos negócios. E não pensa jamais em trocar a natureza pela cidade grande.

"Sabe aquela coisa que todos dizem buscar a vida toda? Aquela ‘tal felicidade’? Foi lá onde eu a encontrei. É tudo o que eu pedi a Deus. Eu pesco, cuido da terra, plantas, bichos, leio, reúno a família (os três filhos, já adultos, e os quatro netos), tudo com a calmaria do campo. Quando volto à TV? Não posso dizer ao certo, mas, quem sabe um dia?”.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: O Fuxico

Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas