• cultura teresina
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Daniel Munduruku - O índio como ele é

"As serpentes que roubaram a noite e outros mitos" é uma coletânea de seis histórias contadas pelos velhos Munduruku para suas crianças.

20/01/2020 11:09h

Essas histórias remetem a temas ou situações voltadas para origens da cultura e da história dos Muduruku, contadas como memória do povo aos jovens para despertar o amor pela sua própria história e cultura. A proposta do autor é possibilitar ao leitor uma visão do povo Munduruku pela narrativa dos mitos. Além dos contos, a edição é complementada por dois textos in formativos - um sobre história do povo Munduruku no Brasil, seus hábitos, tradições e costumes, e outro no qual o autor busca desmistificar a imagem do índio como um ser quase beatificado, puro e bom.

Daniel Munduruku (Belém, 28 de fevereiro de 1964) é um escritor e professor brasileiro. Pertence à etnia indígena mundurucu. É graduado em filosofia, história e psicologia. Fez mestrado em Antropologia social pela USP, doutorado em Educação também pela USP e pós-doutorado em Literatura pela UFSC-Car. É Diretor-Presidente do Instituto Uk´a - Casa dos Saberes Ancestrais. É autor de 52 obras, sendo a maioria classificada como literatura infanto-juvenil. Extremamente engajado no movimento indígena brasileiro. É membro da Academia de Letras de Lorena[3]. Recebeu a Comenda do mérito cultural por duas vezes. Já recebeu vários prêmios no Brasil e no exterior: Jabuti, da Brasileira de Letras, Érico Vanucci Mendes (CNPq), Tolerância (UNESCO).

Daniel Munduruku é autor de Histórias de índio, coisas de índio e As serpentes que roubaram a noite, os dois últimos premiados com a Menção de livro Altamente Recomendável pela FNLIJ. Seu livro Meu avô Apolinário foi escolhido pela Unesco para receber Menção honrosa no Prêmio Literatura para crianças e Jovens na questão da tolerância. Entre outras atividades, participa ativamente de palestras e seminários destacando o papel da cultura indígena na formação da sociedade brasileira. 


Deixe seu comentário