Teresina: horticultores do Dirceu reclamam da falta de segurança e estrutura das hortas

A drástica queda nas vendas, aliada a insegurança e escassez de investimentos na estrutura das hortas vem preocupando os trabalhadores

06/11/2021 15:42h - Atualizado em 08/11/2021 16:59h

Compartilhar no

Inaugurada em 1987, a Horta Comunitária do Dirceu, localizada na zona Sudeste de Teresina, garante o sustento de diversas famílias. Entretanto, os horticultores da região vêm enfrentando diversas dificuldades, como os constantes furtos de verduras e a escassez de investimento nas estruturas das hortas. 

Rosária Ferreira trabalha na horta há oito anos. (Foto: Assis Fernandes/O DIA)

Com a pandemia, estes problemas se intensificaram ainda mais. Além de uma drástica queda nas vendas e um sol escaldante, a insegurança vem tomando conta dos trabalhadores, que já não sabem mais o que fazer. É o que afirma a horticultora Rosária Ferreira, de 54 anos, que se emociona ao contar sua história. 

“A gente pega muito sol e sofre tanto que não gosto nem de falar! Tem dia que vende e dia que não vende. Mas, o pouco que sobra ainda é roubado pelos ladrões. Eles furtam cebola, coentro, verduras. Só que eles também não tem dinheiro, não tem emprego e não tem nada, e aí eu vou fazer o quê?”, questiona Rosária. 

As vendas caíram drasticamente durante a pandemia. (Foto: Assis Fernandes/ O DIA)

Rosária Ferreira trabalha na horta comunitária há oito anos, a mesma conta que chegou a comprar uma parte de outro lote para aumentar as suas produções. Cuidando de tudo sozinha, a horticultora afirma que mal consegue tirar o seu sustento diário. “Esse é o tipo de trabalho que só é pra quem tem coragem de enfrentar, mas não é um trabalho que você consegue tirar o bom sustento”, explica.

A mesma história se repete com o seu Francisco de Assis, de 58 anos, que também trabalha na horta comunitária. “Eu venho mesmo porque não tem outra coisa pra fazer, então cuido da horta. Outro tipo de serviço para um homem de 58 anos não tem”, comenta o horticultor.

Francisco de Assis, de 58 anos, conta mesmo vendendo pouco, continua indo trabalhar todos os dias. (Foto: Assis Fernandes/O DIA)

Francisco destaca que apesar de muitas pessoas trabalharem nas hortas, existem muitos furtos e isso acaba dificultando a venda dos trabalhadores. Mesmo com isso, todos os dias ele vai ao seu ponto de venda. “Devagarzinho a gente vai fazendo. Todo dia eu vendo, mesmo sendo pouco. É preciso vir todos os dias, pois o pouquinho que vende, já ajuda”, acrescenta.


“O único apoio que temos é de Deus”, lamenta Rosária Ferreira

Além da falta de segurança e constantes furtos, os horticultores da Horta Comunitária do Dirceu também sentem falta de investimentos na estrutura das hortas. De acordo com Rosária, o sol forte da capital atrapalha o desenvolvimento de muitas hortaliças e os próprios trabalhadores precisam investir em sombreadores. Entretanto, o dinheiro arrecadado por mês só dá para alimentação. 

“O sol atrapalha muito e precisamos de sombreador, mas não tem dinheiro pra comprar. A gente precisa de dinheiro para investir na horta e não tem. O que a gente consegue aqui, só dá pra comprar a comida. O apoio que a gente tem só é de Deus. Tem dia que não temos dinheiro para nada”, pontua Rosária Ferreira. 

As hortas comunitárias de Teresina colocam comida na mesa de mais de 400 famílias. (Foto: Assis Fernandes/O DIA)

Em toda capital existem cerca de 46 hortas, 12 campos agrícolas em funcionamento e 17 em implantação. De acordo com informações disponibilizadas pela Prefeitura de Teresina em 2020, as hortas comunitárias urbanas e rurais receberiam um investimento em torno de R$477 mil para revitalização, recuperação e construção de cercas, pintura de muros, recuperação de portões e calçadas, serviços de limpezas, podas e construção de banheiros.

Todavia, ao visitar a Horta Comunitária do Dirceu é perceptível que os horticultores se sentem desamparados em relação ao poder público. Sendo assim, é preciso olhar as hortas com atenção e cuidado, visto que esse trabalho coloca comida na mesa de mais de 400 famílias teresinenses. 


Contraponto

Ao ser procurada pela equipe do PortalODia.com, a Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas (SAAD) Rural afirma que será implantada uma secretaria especifica para executar as melhorias nas Hortas Comunitárias do Dirceu.

Confira a nota na íntegra: 

O secretário Municipal de Produção Agropecuária (SEMP), Coronel Edvaldo Marques, disse que a Secretaria está sendo implantada. Com aprovação do orçamento para 2022, a SEMP irá executar suas atribuições, dentre elas o fomento às hortas comunitárias e campos agrícolas. Atualmente a equipe técnica está fazendo cadastramento e conhecendo o potencial da produção, zonas urbana e rural. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário