Professores anunciam greve e não voltarão às aulas presenciais em Teresina

A ‘Greve Sanitária’ que inicia na segunda (16), mantém as atividades remotas e exige aulas presenciais com segurança sanitária

13/08/2021 11:14h - Atualizado em 13/08/2021 12:17h

Compartilhar no

Trabalhadores da Educação municipal de Teresina organizam ‘Greve Sanitária' que inicia a partir de segunda-feira (16). Os servidores reivindicam que as aulas voltem de forma presencial somente quando a imunização dos profissionais estiver completa, além de solicitarem que todas as escolas estejam de acordo com as medidas sanitárias contra a Covid-19. 

De acordo com Sinésio Soares, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm), a Greve Sanitária foi aprovada na Assembleia Geral que ocorreu dia 6 de Agosto. Durante a reunião, foi apresentada uma pesquisa realizada pelo próprio Sindicato, onde cerca de 420 profissionais da educação participaram. 

(Foto: Poliana Oliveira / O DIA)


Leia também: Escolas não estão preparadas para retorno presencial em Teresina, diz sindicato


A greve se restringe aos professores municipais teresinenses e tem como objetivo alertar a população a respeito do risco de contaminação durante as aulas de forma presencial, o que é facilitado pela falta de estrutura sanitária das escolas. 

Confira o comunicado do Sindserm na íntegra: 

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Sindicato organiza Greve Geral do serviço público para o dia 18

Durante a Assembleia Geral do dia 6 de agosto, foi decidido também a ‘Greve Geral do serviço público contra PEC 32’, que ocorre em âmbito municipal, estadual e federal. O protesto acontecerá no dia 18 de agosto, na Praça da Liberdade, localizada no Centro de Teresina, às 8h. 

Segundo Sinésio Soares, a greve também inclui a paralisação dos servidores contra o arrocho salarial. “Dia 18 é Nacional contra a PEC 32 e paralisação de advertência dos municípios de Teresina contra o arrocho salarial do Prefeito José Pessoa (MDB)”, pontua. 

A PEC 32 muda regras para futuros servidores e altera a organização da administração pública. Em uma das inovações, a proposta restringe a estabilidade no serviço público a carreiras típicas de Estado. Com isso, muitos servidores estão reivindicando o reajuste anual do salário, além da imunização das diversas categorias. 

O presidente do Sindserm informa ainda que após a paralisação, haverá uma reunião para discutir resultados e aguardar um posicionamento ou proposta de negociação da Prefeitura de Teresina.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário