• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Prefeitura fará casas em terreno que causou tragédia no Prq. Rodoviário

Semcaspi afirma que já reformou e entregou 12 residências para moradores. Mais 18 devem ser entregues e outras 20 terão casas no terreno desapropriado.

12/09/2019 17:00h - Atualizado em 13/09/2019 18:01h


Kânia Britto em entrevista ao Em Dia News, da TV O Dia. (Foto: Elias Fontenele/O Dia)

No Parque Rodoviário, 12 famílias afetadas pela enxurrada que destruiu casas e vitimou duas pessoas no mês de abril deste ano tiveram suas casas reformadas  e já entregues. 

A informação é da Prefeitura de Teresina, por meio da Semcaspi (Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas), que segundo a gerente de proteção básica Kânia Britto afirmou ainda que 20 famílias que moram ao longo do canal serão remanejadas para casas que serão construídas no terreno da empresa que abrangia a lagoa que rompeu e causou a tragédia.


A gerente explica que a prefeitura conseguiu desapropriar o terreno do da empresa  por via judicial e deverá remanejar as famílias. A escolha do local também levou em conta o vínculo dos moradores com a região. A transferência das famílias ainda não tem data prevista.

"Desde o primeiro momento foi pensado em um local que não rompesse esses vínculos, porque eles já passaram por toda essa tragédia, então seria mais um trauma pra eles se tirássemos eles daquele contexto que eles já convivem há muito tempo, já criaram vínculos. Então pra isso foi pensado em um local, ali no clube, serão levadas 20 famílias", diz a gerente. 


Veja também:

Cobertura fotográfica da tragédia no parque Rodoviário 


Kânia acrescenta que os reparos de mais 18 residências serão realizados e entregues nos próximos meses e que mantém o auxílio às famílias por meio de benefícios para pagamento de aluguel de residência enquanto os reparos são feitos, e cesta básica mensal. O acompanhamento será feito até que todas as famílias estejam restabelecidas nas casas.

"Mensalmente o CRAS recebe acolhe e faz todo esse acompanhamento. Temos hoje 100 famílias em acompanhamento", destaca Kânia.

O Parque Rodoviário não foi o primeiro a sofrer com enxurrada. Bairros como Recanto das Palmeiras e São João também foram pegos de surpresa em abril de 2018 quando um trecho da BR-343 que acumulava bastante água rompeu. 

Perguntada pela fiscalização para evitar novas tragédias, Kânia explica que os órgãos da prefeitura mantém o alerta para possíveis enxurradas causadas por águas pluviais acumulada e que por se tratar de espaço privado, no caso do Parque Rodoviário, a prefeitura não tinha conhecimento antes do rompimento.

"É lógico que uma tragédia dessas ela abre alertas, e com certeza os órgãos responsáveis eles buscarão alternativas mais abrangentes pra que a gente possa não vivenciar uma nova tragédia, isso é claro, a prefeitura com uma situação dessa fica mais atenta" afirma.


Famílias tentam salvar pertences após tragédia ocorrida em abril de 2019. (Foto: Arquivo O Dia)

A tragédia

No dia 05 de abril de 2019 uma lagoa localizada dentro de um clube particular se rompeu após vários dias de chuvas em Teresina. Com a enxurrada, várias família tiveram suas casas invadidas pelas águas durante a noite e duas pessoas morreram. Na época, uma corrente de solidariedade foi formada para receber doações e ajudar as vítimas. Mais detalhes de como foi o ocorrido nos links abaixo:

Por: Rodrigo Antunes

Deixe seu comentário