Postos de combustíveis de Teresina são flagrados com reajuste antecipado

Os fiscais do órgão identificaram que há postos que aumentaram o valor em até R$ 0,40. O litro da gasolina já é comercializado a R$ 7,29

26/10/2021 11:31h - Atualizado em 26/10/2021 11:39h

Compartilhar no

Postos de combustíveis de Teresina reajustaram o valor da gasolina pouco tempo depois do novo aumento nas refinarias anunciado pela Petrobras, constatou uma fiscalização do Programa de Proteção ao Consumidor (PROCON) que é realizada em várias zonas de Teresina desde o início da manhã desta terça-feira (26).


Leia também: Após novo aumento do combustível, Wellington confirma reunião com a Petrobrás e senadores 

“Compro gasolina ou compro comida”, diz consumidora após novo aumento de combustíveis 


O novo preço cobrado aos teresinenses na bomba é ilegal, de acordo com o Procon, porque o combustível comercializado ainda é referente a cargas passadas. O chefe de investigação do Procon, Arimateia Marques, explicou que o reajuste só poderá ser repassado ao consumidor final a partir do recebimentos de novas cargas de combustíveis.

Foto: Divulgação / Procon

“Iniciamos essa fiscalização para verificar a questão do aumento. Esse aumento anunciado é para ser praticado nas refinarias, sendo que todos os postos já aumentaram sem ter recebido uma nova carga de combustível. Eles não poderiam já repassar esse aumento para o consumidor’, disse. 

Dos seis postos fiscalizados nas avenidas Marechal Castelo Branco, Frei Serafim e João XXIII, todos aumentaram os preços de ontem para hoje. Os fiscais do órgão identificaram que há postos que aumentaram o valor em até R$ 0,40. O litro da gasolina já é comercializado a R$ 7,29 em alguns desses estabelecimentos da zona Leste.

Foto: Divulgação / Procon

Arimateia Marques comentou que o Procon está exigindo a nota fiscal das cargas para apontar como houve o aumento ilegal. “Os postos que foram autuados têm 15 dias para fazer a defesa, são passíveis de multas e precisam justificar o aumento do preço. Eles deveriam esperar chegar a nova carga para passar para o consumidor”, concluiu. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário