Postos ainda vendem combustível com aumento, mesmo após suspensão de impostos

Os empresários alegam que as distribuidoras ainda estão repassando combustível com preço elevado

26/07/2017 10:50h

Compartilhar no

Mesmo com a suspensão nacional do aumento de tributos sobre os combustíveis, determinada pelo juiz substituto Renato Borelli, da 20ª Vara Federal do DF ontem (25), os postos de Teresina continuam vendendo gasolina e diesel com preço elevado. O aumento de aproximadamente R$ 0,41 na gasolina comum; R$ 0,26 na gasolina aditiva; R$ 0,79 no etanol e R$ 0,42 no diesel está pesando no bolso dos condutores e desagrada até os donos dos postos de gasolina, que reclamam de queda nas vendas.


Foto: Moura Alves/ODIA

Os donos de postos alegam que as distribuidoras ainda estão repassando combustível com preço elevado e, por isso, o valor permanece com o reajuste. Segundo eles, não há previsão para a redução no preço, pois essa mudança só poderá ser feita quando os fornecedores venderem o combustível mais barato. 

O gerente de um posto da zona Leste, Joaquim Mendes, afirma que, mesmo com suspensão dada pelo Juiz substituto Renato Borelli, o combustível que ele comprou hoje (26) veio com o aumento. A gasolina que ele vendia por R$ 3,14, hoje está custando R$ 3,45. “As vendas estão caindo muito com esse aumento, a queda está de 40% a 50%, e isso é horrível tanto para os postos quanto para os clientes. Na hora que as fornecedoras baixarem, a gente com certeza vai baixar”, garante o gerente.

Foto: Moura Alves/ODIA

Um outro gerente, agora de um posto no centro da capital, destaca que não há previsão para baixar o valor, pois ainda estão usando o estoque que compraram com o aumento na última sexta-feira (21). Ele também percebeu uma queda nas vendas e anuncia que antes do aumento vendia em média 15 mil litros por dia, agora estão vendendo 12 mil litros.  

Há postos onde a queda nas vendas está ainda maior. Djavan Profeta, gerente de um posto na zona Leste, enfatiza que as vendas diminuíram mais de 50%. “A gente vendia 8 mil litros e hoje estamos vendendo 3 mil. Nosso objetivo é trabalhar com preço justo para o cliente, na hora que a base baixar, nós também baixaremos o preço”, diz. 

Compartilhar no
Edição: Nayara Felizardo
Por: Karoll Oliveira

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário