Polícia Militar avalia manifestações no dia 7 de Setembro em Teresina

O major Thiago, da Polícia Militar do Piauí (PM-PI), explicou que os protestos realizados ontem seguiram dentro da normalidade

08/09/2021 11:14h - Atualizado em 08/09/2021 11:25h

Compartilhar no

O Dia da Independência, celebrado nesta terça-feira (07), foi marcado por diversos protestos em todo o Brasil em prol e contra o governo federal. No Piauí, a Polícia Militar acompanhou essas manifestações com o intuito de garantir a ordem e segurança dos manifestantes e considerou os atos como “tranquilos e ordeiros”.

O major Thiago Ribeiro, coordenador de Comunicação da Polícia Militar do Piauí (PM-PI), explicou que os protestos realizados ontem seguiram dentro da normalidade. Pela manhã, os manifestantes se reuniram em frente à Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) pedindo a saída do presidente Jair Bolsonaro. Já no turno da tarde, apoiadores do presidente realizaram carreata e percorreram algumas ruas de Teresina.  

“Tivemos dois grupos: pela manhã manifestações de forma ordeira contra o governo, bem tranquilo. À tarde tivemos manifestações, também de forma ordeira e bem tranquila. Não foi constatada ou identificada nenhuma situação típica e nenhum momento de perturbação. Todos os movimentos aconteceram de forma ordeira”, disse.

(Foto: Jailson Soares/ODIA)

Na oportunidade, o setor de Inteligência da PM-PI também está investigando se houve a  participação de policiais militares durante as manifestações. De acordo com uma portaria assinada pelo tenente-coronel Lindomar Castilho, comandante da Polícia Militar do Piauí, os militares não estão autorizados a participar de quaisquer atos de natureza política e partidária no Estado. Essa determinação já existe no Estatuto da PM do Piauí, através da Lei n° 3.808/81, e no Código Militar.

“Toda portaria é expedida para regulamentar algo que já existe em lei. O que o comando fez foi proibir manifestações dentro dos quartéis na Portaria. Porém, algumas condutas são vedadas aos militares, porque na Constituição está escrito que nossos pilares são a hierarquia e a disciplina, e por sermos uma instituição de Estado e com braço armado, algumas condutas são vedadas aos militares”, enfatiza o major Thiago Ribeiro.

O major Thiago Ribeiro, coordenador de Comunicação da Polícia Militar do Piauí (Foto: Assis Fernandes/ODIA)

Caso tenha sido identificada a participação de algum militar durante os atos de ontem, o caso será apresentado à Corregedoria da PM-PI. “Tudo isso vai ser levantado em um relatório mais específico, se tinham militares e quem fez o quê. Vamos levar à Corregedoria, abrir procedimento administrativo, seja em caso de conduta de infração disciplinar ou uma conduta típica penal, e devem ser abertos os procedimentos cabíveis em cada situação e encaminhado à auditoria da Justiça Militar”, acrescenta.

Sobre as novas manifestações que devem acontecer no próximo domingo (12), o major Thiago Ribeiro enfatiza que a Polícia Militar irá seguir os mesmos protocolos de segurança. “A PM é um órgão garantidor de direitos, sem a PM é impossível que a gente fale de estado democrático de direito. Nesses casos, garantimos que quaisquer grupos possam se manifestar, e vamos aplicando a lei quando aquilo é quebrado de alguma forma”, disse.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário