O rock da Avalon está de volta

O disco novo já está sendo gravado e já gravaram duas músicas para uma coletânea que sairá pelo Selo Mog Records com o título "œThrash Metal Takeover"

27/02/2021 12:28h

Compartilhar no

Depois de 27 anos do lançamento do disco Incógnito, de 1994, a banda Avalon está de volta com trabalho novo, para entusiasmo dos fãs em vários países. O lançamento do CD, com inéditas, ocorrerá até o final do ano. Com o retorno da banda, também acontece com o lançamento do CD Avalon – Anthology 1987 – 1990, que consiste no EP Stop The Fire (989), Demo Tape – Insane Evolution (1988) e com a demo de estreia intitulada Avalon (1987), tudo remasterizado na íntegra. Conhecida internacionalmente, a Avalon já fez shows em todo o Brasil e na Argentina, além de ter seu trabalho reconhecido em muitos outros países.

Foto: Arquivo/Pessoal

O disco novo já está sendo gravado e já gravaram duas músicas para uma coletânea que sairá pelo Selo Mog Records com o título “Thrash Metal Takeover”. Atualmente a Avalon é formada por Ico Almendra - Vocal e Guitarra (Residente no Texas - EUA); Thyrso Marechal - Guitara (Residente em Teresina - Pi - Brasil); Daniel Stilling - Guitarra (Residente em Copenhagen - Dinamarca);William Rodsam - Baixo (Residente em Teresina - Pi- Brasil) e por Alessandro Jannuzzi - Bateria (Residente no Panamá - Canadá). A formação anterior contava com os músicos Ico Almendra ( Vocal e Guitarra); Thyrso Marechal (Guitarra); Mauricio Barros (Bateria) e William Rodsam ( Baixo).

“ Avalon é uma banda Brasileira de Heavy/Thrash metal fundada em 1987 em Teresina. A banda foi formada pelos guitarristas Ico Almendra e Thyrso Marechal, ambos haviam participado da Banda Vênus, que havia sido a primeira banda do Nordeste a gravar um disco de Heavy Metal em 1986. O motivo da saída deles da Vênus se deu por quererem fazer um som mais pesado, rápido e técnico alinhado ao som de bandas Americanas como Metallica, Megadeth e Anthrax que estavam despontando naquela época”, ressalta Thyrso Marechal.

Thyrso Marechal destacou ainda que o nome da banda foi inspirado no livro As Brumas de Avalon: “Nos inspiramos na filosofia de vida dos moradores daquela ilha mística e também pelo fato dos dois fundadores gostarem muito de música medieval, tanto que muitas das primeiras composições da banda têm influências de música barroca, quando fazíamos misturas e arranjos pesados para alguns clássicos da música medieval. Já conhecidos, passamos a  buscar os novos integrantes para a banda; o Mauricio Barros passou a ser o baterista e William Rodsam era nosso baixista preferido, mas no momento ele estava tocando em outra banda da cidade, a Megahertz”, observa. 

Sobre o retorno da Avalon, Thyrso Marechal assinala que se dá em razão da movimentação dos fãs: “Eles confeccionam camisetas, divulgam o trabalho em redes sociais, resgatam antigas gravações, relançando em formato digital como o lançamento em CD Anthology – 1987 – 1990 , material que só havia saído no formato kassete, até mesmo uma banda como Furit de Teresina tocou cover de uma música da banda com participação do Baixista William Rodsam da Formação Clássica. O que resultou na reunião dos membros e colocando a banda na ativa, e sim, vai continuar, e estamos gravando um disco novo que já está todo composto, faltando apenas finalizar as gravações do mesmo, e com o fim da Pandemia nos reuniremos para alguns shows”, explica.

Uma longa história

A primeira Demo-Tape da Avalon foi lançada em fevereiro de 1988; já era então um quarteto, com Thyrso, nas funções de guitarrista e vocalista. A fita continha nove músicas, todas cantadas em Português. Com esse trabalho, a banda passou a fazer diversos shows em Teresina e no interior, durante todo o ano, inclusive tocando no Teatro 4 de Setembro, espaço que naquela época raramente abria suas portas para shows de Rock pesado. A demo-tape também foi bem aceita pelos fãs e pela crítica, crescendo o interesse pela Avalon, culminando por ser 1989 um ano fundamental na história da banda. Eles firmariam sua formação original com a entrada finalmente de William Rodsam, que havia saído do Megahertz, e começavam a compor e gravar em inglês.

Essa nova faceta da banda tinha sido recomendada pela crítica especializada, como forma do grupo obter um maior reconhecimento no mercado do Heavy Metal nacional que seguia esse direcionamento. Sairia então em Fevereiro de 1989 a segunda demo-tape, Insane Evolution, com sete músicas, quando se notou uma nítida evolução. A fita novamente foi bem recebida por todos e fez com que eles fizessem muitos mais shows, agora também em estados vizinhos. Apesar de esta demo-tape ser a mais caseira, pois a gravação foi feita nos ensaios da banda, foi a que teve maior repercussão. Ico havia sido escolhido como o vocal que melhor se encaixava no estilo da banda, portanto a partir desse momento passou a ser o vocalista definitivo. 

Com esta nova demo eles finalmente conseguiram o contrato de gravação que tanto buscavam. Nada menos que a Cogumelo Records de Belo Horizonte, a maior gravadora de Heavy metal do país, que já havia lançado  bandas como Sepultura, Overdose, Mutilator entre tantas outras se interessou e assinou a banda para a gravação de um split LP, que era algo comum na época, que teria o Avalon no Lado A e a outra banda conterrânea deles, o Megahertz no Lado B. A banda viajou para Belo Horizonte, entraram no JG estúdios e com o auxílio de Gauguin, famoso engenheiro de som da Cogumelo, gravaram então seu primeiro album: Stop the Fire! que continha 5 músicas, sendo 1 delas inédita, No Fun e 4 outras que fizeram parte das demo-tapes anteriores. Com a gravação deste disco se encerraria a primeira fase da banda. O Avalon então já era a banda mais popular da região, já tinham feito muitos shows por várias cidades de seu estado inclusive tocando em diversos eventos da prefeitura de Teresina e governo do estado onde puderam fazer shows para milhares de pessoas. Era a hora e o momento de alçarem asas e buscarem novos patamares.

A partir daí a banda não mais parou, em razão dos contratos e da grande aceitação que alcançava, dentro e fora do Brasil. Em 1996 a banda encerrou suas atividades e seus integrantes estão literalmente espalhados pelos quatro cantos do planeta. Além de Ico, que mora nos Estados Unidos, Daniel vive na Dinamarca, Alessandro no Panamá, Tunão no Canadá, Alex em São Paulo, William, Thyrso e Maurício em Teresina. Essa separação geográfica atrapalhou bastante qualquer tentativa de retorno da banda, mas agora tudo será diferente, pelo menos se depender dos integrantes da banda.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Marco Antônio Vilarinho

Deixe seu comentário